quinta-feira, 17 de abril de 2014

Visões

          Hoje eu fui no CCBB Centro Cultural Banco do Brasil. Visões na coleção Ludwing (veja neste link)  Na segunda feira estava conversando a respeito das oportunidades que temos e que deixamos passar em nossas vidas, aqui em São Paulo temos exposições direto e de graça e quando percebemos já acabou! Como esta que está acontecendo no CCBB e termina na segunda feira. Geralmente o CCBB esta lotado, muita gente, mas hoje, como a maioria ainda trabalha, estava tranquilo até demais. Uma delicia. Teve momentos que eu estava quase sozinha em uma sala. Dá para observar tudo com calma e prazer.
       A historia da exposição é interessante: Ludwing foi um colecionador altruista. Ele não queria ter as obras só para ele. Pelo contrario, a intenção era colecionar e dividir com todos. Estas quase 80 obras foram reunidas na segunda metade do seculo XX por ele e sua esposa. Apresenta varias tendencias, classificariamos Ludwing como "Eclético" Tem Picasso e Andy Warhol. Jean-Michel Basquiat e Anselm Kiefer.
       O legal é que como fui em um dia normal, tem visita de escolas com professor e o professor explicando para as crianças, a gente se sente uma delas tbm e vê com os olhos tanto do professor, quanto das crianças. Andy Warhol nunca mais será o mesmo para mim. Ele ganhou outros significados, outras simbologias, outra visão, mais ampla que a minha. Tanto como Claudio Bravo e sua Madona. Tinha um rapaz, com conhecimento e disposição para compartilhar que estava explicando a obra para um grupo de jovens e eu me juntei a eles. (jovem tambem, oras...) E absorvi cada palavra do moço. E olhei aquela Madona, com o Cristo a frente, com fralda descartavel. Com São Francisco e São Sebastião a direita e Santa Luzia e Santa Agata ao lado esquerdo, isso só descobri ali na hora, que segurava uma bandeja com os seios da Madona. A palavra que melhor descreve é a mesma: impressionante! 




Outras obras que eu gostei:- Grande Punho de Ferro de Anselm Kiefer- Muro Alemão de Bernd Schwarzer- Jardins do Palácio de Verão de Natalia Nesterova
- Deus conosco de Dmitry Zhilinsky
- Desenho em Aço com Frutas, Flores e Monica de Tom Wesselmann
- Wall de Michelangelo Pistoletto

As fotos não poderiam deixar de me emocionar, lógico. As fotos de Gunter Sachs, excelente fotografo, mas, mais famoso como marido de Brigite Bardot.


Um trabalho que gostei muito está no sub solo, "Entre livro e imagem"  O nome do artista é impronunciavel: Ovchinnikov, Nicolay fica mais facil. 

















O que mais me impressionou, depois da Madona?  Picasso,  claro.
 Forte, impactante. Logo no 4ª andar. É impressionante mesmo. E Andy Worhol. 




Acaba segunda feira, dia 21 de abril, se puder, vá!

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Bem consigo mesmo.

O segredo da vida é estar bem consigo mesmo. 

Quando estamos bem conosco, a tendência é que estejamos bem com os que estão a nossa volta, com nossos amigos, nossos familiares, nossos colegas de serviço, enfim, com o mundo.

Como alcançar esse estágio? Não é muito complicado. Quando nós temos a certeza que estamos dando o nosso melhor, que no nosso modo de pensar estamos fazendo o que podemos. Quando temos a plena convicção que não estamos contrariando os nossos princípios fundamentais, não tem por que não se sentir bem consigo mesmo. 
Santo Agostinho, que na época não era nenhum santo, dizia que tínhamos que fazer um exame de consciência na hora de deitarmos, todo dia. No que consistia este exame? Procurar lembrar de tudo que tínhamos feito ao longo deste dia e pensarmos se o que fizemos, se nos fosse feito por outra pessoa não nos teria magoado, ferido ou causado qualquer outro sentimento negativo. Aquela velha historia da empatia, se colocar no lugar do outro. Calçar o sapato dele, com todos os calos do outro e ver se não doeria se estivéssemos na posição dele. Fui correta? Fui sincera? Dei o meu melhor? Fiz o que devia ou poderia ter feito? Estou com minha consciência tranquila? Então posso dormir em paz? Com a certeza do dever cumprido? Se não fiz o que deveria ter feito, como posso melhorar? O que posso fazer para corrigir minhas falhas? Ofendi alguém? Como posso remediar? Como posso evoluir tanto como pessoa, como profissional, como amigo, como irmã/companheira/amiga? 

Não é tão complicado. É fazer o que se pode, como se pode, quando e onde se pode, e mais, como gostaríamos que fizessem para nós! simples!