sábado, 14 de abril de 2012

Tem uma pedra no meio do caminho...

Estou a tarde inteira em "trabalho de parto"! Uma pedra no canal da urina que teima em não sair. Já chorei, suei, e bebi muita, mas muita água mesmo. Acho que das 13h até as 19h foram mais de cinco litros. A pedra não vai voltar para dentro, não pode ficar parada e para sair tenho que criar condições, dá-lhe água...
Em menos de um ano é a terceira vez que estou passando por isso. Antes disso expeli uma em 2000. Onze anos sem passar por esse tormento e agora outra vez em tão pouco tempo... Começa com uma ardência, como se fosse uma infecção de urina, arde quando se faz xixi, depois parece que a urina não tem como sair, vai saindo aos poucos, toda hora com vontade. Passei mais tempo no banheiro do que outra coisa hoje. Depois vai aumentando, aumentando a dor ao urinar, parece que o canal vai virar do avesso e não voltar mais para dentro. Dá aqueles calafrios, uma coisa que sobe pelas costas e as lágrimas que descem. Quando começa sair urina com uns filetes de sangue vivo a gente pensa que o tormento vai acabar logo, mas não é ainda o momento. E continua: Vontade de urinar, aquele pouquinho, toma mais água, vontade de novo, pouco...vontade....pouco...ardor....pouco... vontade....pouco... ardor.... vontade e enfim um jato e aumenta as esperanças do final, mas depois de 7 vezes assim em jato ainda sinto a mesma dor no final. e os filetinhos de sangue. 

Segundo o site"CAUSAS Pedras nos rins é um acúmulo anormal de sais minerais. Eles se formam nos rins e, durante a passagem pelo ureteres, podem se alojar ali ou na bexiga. As pedras são essencialmente compostas de oxalato de cálcio, mas fosfato, cistina, etc podem também estar presentes.

Curiosamente, um fator-chave na produção de pedras nos rins é uma deficiência de cálcio e/ou de magnésio.

Carboidratos refinados, principalmente açúcar, ajuda na formação de pedras nos rins. O açúcar aumenta no pâncreas e excreta insulina adicional, que por sua vez faz com que o rim descarregue mais cálcio na urina.

O cálcio é necessário no organismo. Se não existe suficiente cálcio na dieta, o corpo irá extrair o cálcio dos ossos, a fim de manter o nível sanguíneo de cálcio em níveis normais."

"Tomar bastante líquidos é o principal item do tratamento, visando reduzir a concentração e supersaturação dos cristais urinários, e dessa forma, diminuir a formação de cálculos.
O ideal de tratamento é suprimir a recorrência e evitar que os cálculos existentes cresçam. Como os cálculos têm origem heterogênea e freqüentemente são manifestações de doenças multissistêmicas, é impossível haver um só esquema terapêutico. Por isso, o tratamento é diversificado e prolongado, requerendo o comprometimento permanente do paciente. Após seis meses de tratamento, deve-se repetir a seqüência de exames para avaliar a eficiência da ação terapêutica. A revisão é fundamental para ajustar as medidas usadas no controle da recorrência e estimular o paciente na continuidade do tratamento.
Os cálculos maiores de 0,8 cm não saem espontaneamente, por isso é necessária a intervenção do urologista para a retirada do cálculo por métodos cirúrgicos ou métodos extra corpóreos, endoscópicos ou litotripsia." (abcdasaude)
Dai do mesmo jeito que começou, some! Ou seja, quando menos se espera já passou... Não é o caso, ainda, mas minha intuição diz que já estamos perto do final. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário