sábado, 4 de dezembro de 2010

A dor de uma separação

Quando eu era criança tive que aprender a conviver com a separação da minha mãe. Ela teve câncer de mama em uma época que não tinha recursos e a agonia dela durou três anos. Tirou uma mama, depois a outra e não tinha mais jeito, já se alastrado para o pulmão. Até hoje sinto um buraco enorme na minha vida.
Meu pai casou de novo e eu tive uma segunda mãe. Também tive que acompanhar a agonia da doença e da separação. Ela teve um AVC e ficou em coma 40 dias. Não sabia se pedia para Deus um milagre ou se pedia para Ele leva-la embora mais rápido. Dói pra caramba.
Depois foi meu marido, AVC também, depois uma queda e hemorragia cerebral. Outra agonia.
Três anos atrás, meu irmão foi embora também, mas foram mais dois anos de agonia, câncer no pulmão, quimio,  dor e a morte.
Dois anos atrás, meu pai, depois de sofrer muito com o câncer na garganta, sem poder comer, emagrecendo, definhando. Uma agonia lenta e dolorida.
Agora a Pitchula! Dói muito. As pessoas podem até dizer: "É só uma cachorra" mas não é só isso. É a minha companheira, minha parceira. Choro pela separação dela, choro por que vou ter que aprender a conviver com a ausência dela. Sofro por que não vai ter um ser me esperando quando eu chegar da rua, ficando feliz em me ver.
Sofro por todas essas perdas que tive nos últimos anos. Sofro por todos que já perdi.
Quem pode entender? Quem já perdeu também. Quem já passou por situações desse tipo é que pode entender o que estou passando.
Um dia todas as pessoas perderão alguém, seja de repente, seja lentamente como foram as minhas perdas e todos que tiverem sentimentos dentro do peito sentirão o que estou sentindo; dor, muita dor. E a unica coisa que peço é compreensão e colo, se possível, onde eu possa derramar minha lágrimas e me sentir acolhida.

3 comentários:

  1. Sinto muito Silvia sei muito bem o tamanho dessa dor. Quem sabe você não encontre outra companhia para te esperar no portão?

    Milton

    ResponderExcluir
  2. Silvia

    Ela não era apenas uma cachorra. Era sua filhinha amada, também perdi minha filhinha de quatro patas faz nove meses. Entendo a sua dor.
    Sinto muuuuuito sua perda pode crer.

    Abraços

    Silvia

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigada aos companheiros de jornada.
    A Pitchula está indo embora devagarinho.
    A cada dia ela se afasta mais da vida e caminha para o Quintal do Senhor. Eu já liberei ela para ir com Ele, mas ela ainda resiste. Sei que se ela estiver sofrendo, terei que abreviar. Espero que não precise.

    ResponderExcluir