domingo, 31 de outubro de 2010

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Masoquismo e Egoismo

Essa foto foi tirada a uns 10 dias do celular





Anônimo disse...

Desculpe-me o comentário mas você é um tanto quanto masoquista e egoísta. As decisões são difíceis, são. Mas amar também é deixar partir. O curar dos homens é muito diferente do curar de Deus. Pense nisso.

Entendo o seu ponto de vista, e aceito. A frase: Amar é também deixar partir vem bem a calhar, eu estou a cinco anos me preparando para essa partida, foi em 2005 que descobrimos o problema cardíaco e de lá para cá tenho passado por baques e me preparando para viver sem ela. (E vou confessar uma coisa: Ainda não estou preparada...)

Pode ser que eu tenha que tomar uma decisão, pode ser que não. Eu vou tomar quando for necessário, não por que eu não quero sofrer, mas para ela não sofrer. 
E  quando tiver que tomar essa decisão, faço questão de estar ao lado dela, em respeito a ela e a mim. Não quero que ela fique só. 

Quando meu pai estava mal, muito mal mesmo, conversamos; minha irmãs e eu, se ele ficasse pior se deixaríamos entubar e concordamos que não, seria um sofrimento desnecessário. Quando ele estava nos últimos momentos, ele morreu nos meus braços, a enfermeira chegou e perguntou se eu queria que fizesse alguma coisa, eu disse que não, que deixasse eu sozinha com ele, tive tempo de me despedir, fazer uma oração e principalmente estar ao lado dele, para uns isso é masoquismo, para mim foi muito importante, pois tenho certeza que ele estava amparado por mim e não em uma UTI fria.

Pontos a considerar: 
Egoísmo: Será que não é egoísmo querer acabar logo com a vida dela para eu não sofrer? Penso nisso também.


Ela está bem, está comendo, tem fome, procuro fazer uma alimentação que ela goste e que seja fácil de engolir. Dor? Ela está com remédio agora, então não está doendo. Caminha pouco, é verdade, pois o coração dela é fraco, mas por sinal, acabamos de vir da rua agora, ela foi até onde quis e quando não quis mais, eu trouxe no colo. Mas os olhos dela ainda brilham, tem vida, é diferente de um cão que não quer mais viver.

Ontem eu conversei com o cardiologista dela e ele é muito realista; disse que se tiver que passar sonda, aí não vale a pena, e eu concordo.

Quem olha para ela não vê uma cadela doente, debilitada, mas uma cadelinha idosa, mais lenta. É diferente.
Tanto é que quando eu falo que ela tem problemas de saúde as pessoas se surpreendem. 

Estou sofrendo? Sim, mas não é só com a doença dela, é por ter certeza que em muito pouco tempo eu vou ficar sem ela e são quinze anos de parceria. com ela aprendi muito.  E ela vai me fazer muita falta. Em tudo, em todos os momentos. Nos ultimos 15 anos, em todos meus momentos importantes, ela estava ao meu lado, como vai ser viver sem ela? 

Converso muito com Deus, peço que Ele não deixe ela sofrer, só isso, por que eu vou, com certeza. 
Eu agradeço a Deus por ter me dado a  oportunidade de conviver, todos esses anos, com um ser, pequeno e peludo que me ajudou a ser uma pessoa melhor.
Chorar, eu vou, e muito. Mas chorar por alguma coisa muito boa que tive em minha vida. 

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Tempos difíceis estão por vir...

Fomos no HOVET USP  hoje. Passamos na triagem e na Odonto. Conseguimos, com muito custo, abrir a boca da Pitchula e ver lá dentro o que está incomodando a pequena. Ela está com um tumor no palato mole. Aquela região entre o céu da boa e a garganta, o tumor se localiza mais a direita, deixando até livre a passagem para a comida, mas está ulcerado, quer dizer: ela sente dor ao comer.
A situação é a seguinte: provavelmente é maligno, mas para saber com certeza só uma biopsia, mas para fazer a biopsia precisa anestesiar e anestesia é um  risco altíssimo. Mas se correr o risco, qual é a vantagem de saber qual tipo de tumor se não vai poder fazer nada? Não pode operar, o local não dá. Não dá para fazer quimioterapia. Ela não aguenta. Estamos entre a cruz, a espada e a caldeirinha com a  fogueira em baixo. Fizemos um RX do tórax e do crânio para saber se ela tem metástase no pulmão, não tem. Na cabeça, o tumor está perto do olho direito e já avançou no osso. Entramos com remédio mais forte para a dor. Marcamos um ultrassom para a semana que  vem para saber a quantas anda o resto do corpo. O ideal seria uma tomo, mas para fazer a tomo, tem que anestesiar. E já marcamos consulta na clínica da dor, lá mesmo no HOVET USP e entrar em cuidados paliativo, igual ao do ser humano.
Já chorei? muito, não imaginam o quanto. Vou chorar mais, com certeza. Dói pra burro. Eu sei que ainda não é hora de tomar uma decisão. Ela ainda está comendo, está razoavelmente bem. Ela está com medo, eu sei que está. E eu estou me sentindo um nada.
Há de se lembrar que meu pai morreu a dois anos de câncer na garganta, não pesava mais de trinta quilos, pois na garganta não estava passando nem água. 

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Apetite

Um dos ultimos post, eu falava no apetite da Pitchula, em como ela estava esfomeada. Agora escrevo do quanto está dificil para ela comer. Ora ela come, ora não... Sabe aquela comidinha que eu fazia para ela, arroz, cenoura e inhame triturados e frango desficadinho? Nem pensar, ela cheira e vira a cara, parece que "enojou". Já teve dia de picar salame, que é um veneno para os rins, e colocar no arroz para ver se ela comia, comeu, no dia seguinte tentei a mesma coisa e ela olhou e virou a cara. No domingo fiz uma carne moida para mim e coloquei um pouquinho para ela, não quis, dai veio e me rodeou pedindo do meu prato, dei para ela cheira para que percebesse que era igual ao dela e ela comeu, deixei ela comer, fazer o que? Se ela comeu, melhor que ficar sem nada, concordam? No dia seguinte fui dar a mesma carne moida e ela não quis, no entanto a noite comeu.
No dia do salaminho falei com a veterinária, e ela concordou comigo, melhor comer isso que ficar sem comer nada. Em um outro dia fiz uma beterraba cozida e amassada, ela comeu sobre livre e espontânea pressão, mas depois vomitou. Outro dia dei Kani para ela, comeu com gosto, fui dar de novo e ela virou a cara.
Minha amiga mandou uma marmitinha para mim, frango cozido com legumes, ela comeu tudo, pedi para minha amiga fazer outra marmita para ela, imaginem a cena a cena: minha amiga leva a marmita para o trabalho e guarda na geladeira com meu nome, o pessoal pergunta e eu digo que a Teca fez a marmita para a Pitchula, eu consigo ficar séria, mas eles não, por que será? 
Bom, ela não quis nem olhar, a Teca caprichou tanto que colocou até um pouquinho de coentro, deve ter sido isso, já falei para ela que da próxima vez não coloque coentro que a Pitchula não deve gostar. Será que ela vai fazer outra marmita?
Fui no domingo na feira e trouxe peixe, Pitchula gosta de peixe, comeu no domingo e a noite já não quis mais.
Eu sei que cada dia tem que ser uma coisa diferente e tenho que acertar o que ela pode querer. Não, não estou mimando ela demais não, se eu deixar ela sem comida ela não come nada, ração ela nem cheira mais. Nem o ossinho que ela tanto gosta, ela não quis mais. É sério, deve ser dor mesmo, pois ela vai até o pote, parece que quer comer, mas desiste por algum motivo, esse motivo deve ser dor. Ela não é uma cachorra manhosa.
Eu sei que está muito difícil, não sei mais o que fazer, tenho que ter varias cartas na manga, pois um dia ela pode querer comer uma coisa que no dia anterior nem olhou. Vai entender... 
E isso tudo não é causado pela uréia e creatinina altas, estão com os valores aceitáveis, dentro do quadro dela. Parece que ela está com algum problema nos dentes, mas ela não deixa ver. Deve sentir alguma dor, pois já deu uns gritinhos quando come. 
E nem quer me morder mais, pode uma coisa dessa? A Pitchula, aquela cachorrinha ranzinza e mal humorada que morde por qualquer coisa não está avançando mais? Tem alguma coisa errada... A Veterinária mandou eu passar o Periogard nos dentes e gengivas, até tento e pasmem, ela tira a cabeça e não me morde!!! Deve ser muito sério em outras ocasiões ela morderia com certeza!
Já esgotei meu repertório de receitas caninas, se alguém tiver sugestão, aceito. 

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Água e sua importância na nossa vida.

Eu sempre me lembro de uma amiga que morreu de câncer nos ossos. A pessoa com esse tipo de câncer  não pode se mexer, qualquer movimento pode quebrar algum osso e ele não vai mais se solidificar. Complicada a vida. Essa mulher tinha uma fibra, invejável. E ela dizia que a maior vontade que tinha era de tomar um banho, com a água escorrendo pelo corpo, que sentia muita falta disso, pois seus banhos só podiam ser "de leito". Um dia, as filhas e os genros envolveram ela num lençol e levaram-na para debaixo do chuveiro. Como ela ficou feliz! 
Cada vez que estou meio deprimida lembro dessa mulher; para servir como exemplo de como coisas tão simples podem fazer A diferença. Como é bom tomar um banho, deixar a água lavar todas nossas frustrações e levar ralo abaixo. 
Nós temos o costume de procurar satisfação em coisas tão distantes, em possuir algo fora do alcance, em conquistas materiais e não vemos que as coisas mais simples e bem próximas podem conter nossa maior satisfação! 
A água está tão presente em nossa vida e tão pouco valorizada. Somos gerados dentro de uma bolsa d'água, nascemos, primeiro banho, batismo com água e assim vamos crescendo. Banhos de mangueira, que delicia. Piscinas, riachos, cachoeiras, o mar, será que é salgado mesmo? Vamos experimentar! Nossas lágrimas tão "molhadas", tão doloridas... 
Lembro que quando era pequena não dávamos tanta importância para ela, achávamos que nunca ia acabar, lavávamos até a calçada com a mangueira. Hoje ficamos horrorizados se vemos alguém fazendo isso. Pelo menos aprendemos a ter consciência. Eu tive uma infância boa, nadei em rio, (nadar é modo de falar, até hoje não sei nadar), tomei banho de cachoeira, fiz barquinho para soltar na enxurrada. Brinquei muito em enxurrada, até perdi a chave de casa uma vez, mas consegui achar!
Chuva, como sentimos falta dela alguns dias atrás. Aquele tempo seco, esturricado, aquela poeira suspensa, tudo empoeirado, até nós mesmos. Agora já choveu, já passou, pronto esquecemos. Acho que nosso maior problema é esse: a memória curta. Esquecemos facilmente, muito facilmente.
Precisamos refrescar nossa memória e ter sempre em mente  que a água pode acabar e que nós precisamos dela para sobreviver nesse mundo e temos a responsabilidade de cuidar da preservação dela e do nosso meio ambiente. E não é só economizando agua, mas também é consumir menos e só o necessário de qualquer coisa, pois qualquer coisa precisa de água para ser produzido. Simples!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Medicamento - sacanagem

Eu tomo um remédio todo santo dia, e é para o fim da vida. É para a tireóide. comprei hoje e diminuiu a quantidade: vinha 30 comprimidos, agora 28. Dois comprimidos não faz tanta diferença, daí comecei a fazer contas e percebi que em um ano vou ter que comprar uma caixa a mais, consequentemente faz uma grande diferença!

Blogagem coletiva - Água

No próximo dia 15 de outubro, como em outros anos, haverá uma blogagem coletiva e o tema desse ano é Água.
Se vc tem um blog, junte-se entre no site:http://blogactionday.change.org/ para saber mais informações e registre-se para ter a divulgação do seu blog.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Aprendizado

Nós estamos em constante aprendizado. 
Já ouvi diversas vezes que temos que aprender todo dia uma coisa nova para a vida valer a pena. 
Aprendemos com as coisas boas que nos acontecem, aprendemos com as pessoas que passam na nossa vida, mas principalmente aprendemos com as coisas ruins, ou aparentemente ruins que acontecem na nossa vida. 
Aprendemos que e como temos que cuidar melhor do nosso corpo depois de uma doença, tomamos consciência, ou deveríamos tomar, do que estamos fazendo de errado e como podemos corrigir esses erros; seja na alimentação, no exercícios físicos, na limitação dos excessos! 
Na nossa vida profissional aprendemos que temos que estar atualizados sempre, senão ficamos para trás. 
Aprendemos que temos que aprender.
E na nossa vida afetiva, nos nossos relacionamentos pessoais e familiares aprendemos que as pessoas não são como gostaríamos que fossem. 
Aprendemos a separar o joio do trigo, o que realmente vale a pena, o que é importante e o que não vale a pena e que é melhor ser descartado.
Aprendemos com as injustiças, com as "palhaçadas" a nos dar valor, a melhorar nossa auto-estima. 
Colocar em prática os ensinamentos de Jesus, que dizia que devemos pautar nossa vida em dois mandamentos: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo. Amar o próximo como a mim mesmo, implica em me amar primeiro, senão como poderei amar meu próximo como a mim mesmo? é lógico! 
Eu estou em constante aprendizado. 

domingo, 10 de outubro de 2010

Estatísticas versus responsabilidade

Agora que vi as estatísticas do Blog. Foi a primeira vez que vi, é novo, não tinha antes, sei lá quanto tempo que está aí...Não tenho prestado muita atenção, passo por aqui rapidamente. 
Bem, eu fique olhando as estatísticas e pensando na minha responsabilidade quando escrevo. O post mais procurado é Minha vida sem vesícula, onde eu conto o pós operatório. É gratificante ver os comentários e saber que eu posso ajudar as pessoas com a minha experiência. Mas por outro lado me faz refletir na importância de passar uma mensagem verdadeira, clara e que não possa fazer mal para ninguém. 
Meu Blog não tem tanto acesso, mas para minha humilde condição eu acho que é muito acesso. Pessoas de todo Brasil, de Portugal, Indonésia, Nigéria, Estados Unidos... Quando eu ia imaginar que um dia eu teria pessoas da Indonésia lendo o que eu escrevi? Comecei tão despretensiosamente esse Blog...
Fico imaginando aqueles Blogueiros que tem milhares de acesso em apenas um dia, será que eles param para pensar na responsabilidade deles? Acho que sim. Apesar que tem muita gente por aí adepta do "copiar e colar" que xupinham blogs alheios, essas não devem refletir não.
Mas é gostoso, muito gostoso. Que seja uma pessoa que leia já é bom. Compartilhar é bom, dividir é bom. Somar, mais ainda. E desde que eu comecei a escrever eu só somei em minha vida. Amigos, satisfações, aprendizados. Que bom!

Campanha de vacinação anti rabica

"SÃO PAULO - O Ministério da Saúde decidiu, nesta quinta-feira, suspender as campanhas de vacinação de cães e gatos contra raiva animal em todo o país. A decisão, que é preventiva, foi tomada após resultados de testes feitos pelo Ministério da Agricultura que comprovaram que o medicamento pode provocar reações adversas nos animais. O Rio de Janeiro e São Paulo foram os primeiros a apresentar problemas com a vacina. . São paulo, já havia suspendido a vacinação.
Houve notpicias de pelos menos 1.400 casos de efeitos colaterais e 200 mortes de animais. Entre os efeitos que não estavam previstos, e que foram observados, estão hemorragia, dificuldade de locomoção, hipersensibilidade de contato e intensa prostração dos animais. Essas alterações não haviam ocorrido nos testes iniciais feitos para a liberação da vacina, nem na contraprova de amostras mantidas em estoque" 
Noticia lida no Globo.  eu fico imaginando como deve estar se sentindo as pessoas que levaram seus animais para vacinarem contra a raiva, pensando que estavam protegendo seus peludos contra possível doença e vêem eles ficarem doentes ou morrerem em função disso. deve ser horrível.  O que eu não entendo é por que tiveram que esperar ter 1400 casos de efeitos colaterais e 200 MORTES!!!! Precisava esperar tudo isso? Eles ainda tinham alguma dúvida? O Ministério da Saúde adverte: "O Ministério da Saúde é lento pra cachorro". Para mim isso  tem um outro nome: Descaso. 
Eu não gosto nem de pensar na possibilidade da Pitchula estar incluída numa lista dessa. Eu costumava leva-la para ser vacinada na campanha, pois acreditava que a vacina era de ótima qualidade, o problema era a aglomeração de animais, mas eu procurava ir em horários fora de pico. Até que a uns três anos atrás ela teve uma reação no lugar da picada. Formou uma ulceração no local, difícil de cicatrizar e eu não levei mais. Bendita  hora que aconteceu isso. Senão ela poderia estar entre as vitimas nessa campanha,  em virtude da debilidade física dela, seria mais propensa a efeitos colaterais.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Correria

Esses dias andam muito concorridos. São poucas horas para muitas atividades e novidades. Veja só a hora que eu estou escrevendo...
Dobrei alguns plantões, "encavalei" outros. Só sei que nesse mês de setembro trabalhei todos fins de semana, inclusive o feriado de 07 de setembro. Junte a isso a saude da Pitchula. Deu trabalho ( e despesa) nesse mês.
Massss o mês foi ótimo. A Pitchula está bem melhor, já estou mais tranquila no trabalho, semana que vem saio de férias, estou dando conta dos afazeres, dos compromissos assumidos. A casa está precisando de uma faxina, mas os trabalhos estão em dia. Ahhhh e a pele está muito bem, suave e brilhante, kkkkkk