quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Da série: Coisas que eu não entendo - Cadeirinha de criança para carros

Eu me pergunto se quem faz essas leis pensam em todos os pormenores antes e aprovam essa leis assim mesmo, doa a quem doer, ou se fazem por pura ignorância das conseqüências. 
Eu tenho amigas que tem crianças pequenas e não tem carro; quando acontece algum evento em outro lugar, sempre tem alguém disponível para dar uma carona para as mães em questão. E agora? E daqui para a frente? Como vai ser? As mães de crianças pequenas e sem carro não saem mais de casa? Tomam ônibus? Que por sinal não tem cadeirinha e nem cinto de segurança? Esperam aparecer um taxi que tenha? E se tiverem mais de uma criança? Ficam em casa; por que um taxi não vai investir em DUAS cadeirinhas, uma já vai ser milagre. 

Agora imagina a situação; uma mulher com duas crianças penduradas no fim do dia e não tem um taxi que as pegue. Vai ser uma cena corriqueira daqui para o futuro. 

Eu tenho carro, mas não tenho criança, por que teria uma cadeirinha? Lamento, mas não poderei dar carona para as minhas amigas mães e correr o risco de ganhar uma multa pela minha boa ação. E aí posso até perder uma amizade. Por que minha amiga pode pensar que é uma maldade minha não querer leva-la. E minha consciência politicamente correta? Não posso infringir uma lei!
Não, os homens que fazem essas leis não pensam. São homens sim, mulheres pensariam nas conseqüências. Homens não andam com crianças penduradas, os que andam não fazem leis.

Ontem eu estava parada no trânsito, ao lado de uma escola na saida dos alunos, estava bem ao lado de uma Van Escolar e as crianças entrando na Van. Era um monte de crianças, não consegui contar, mas não vi nehuma cadeirinha na Van. Para idade nenhuma! 
São coisas que não entendo. 
Só sei que os fabricantes de cadeirinhas devem estar faturando uma grana legal, isso eu entendo!

2 comentários:

  1. Silvia Dutra / Sinhá15 de setembro de 2010 16:28

    é, realmente também não entendo. Aqui nos States usar a cadeirinha é lei, mas também nunca vi taxis com elas. E se eu que já não tenho filhos pequenos nem cadeirinhas der carona para alguma amiga que tenha um filho e acontecer um acidente eu serei responsabilizada, civil e criminalmente, por qualquer dano que aconteça à criança pela falta da tal cadeirinha. Acho que os fabricantes de carros deviam criar um cinto de segurança que fosse adaptado pra bebês ou crianças até uns 5 anos de idade, e todo carro deveria ter pelo menos 2 desses cintos nos bancos traseiros. Seria uma solução.

    ResponderExcluir
  2. É Silvia,

    Entendo que precisam se preocupar com a segurança dos pequenos, mas todos estes pontos que pensou são muito bem lembrados. As coisas dificultaram bastante, mesmoooo.

    Obrigada pela torcida ** to bem melhor!
    Beijoos

    ResponderExcluir