domingo, 23 de maio de 2010

Uma noite no cinema.



Nós fomos ao cinema nessa semana que passou, na terça feira, dia 18 de Maio. Eu já estava com medo do filme sair de cartaz e nós perdermos. Um dia não dava por um motivo, no outro era o trabalho, noutro era o tempo, e assim foi indo desde o lançamento, dia 02 de Abril, todos nossos colegas já tinham ido, menos nós. Ficávamos com cara de "paisagem" quando o comentário era o filme. Enfim conseguimos ir. Já sabíamos a historia, já sabíamos que o mocinho morria no final, sabíamos até as passagens que seriam mostradas. Nós sabemos essa história de cor e salteado, mas seria a oportunidade de um reencontro, como se o Chico "revivesse" nesses momentos, pelo menos na telona, para nós. Como tivemos vontade de conhece-lo pessoalmente... Infelizmente não tivemos oportunidade, cada qual com seus motivos. Quem conheceu Chico nos conta que a energia que emanava dele era tão grande, que mesmo a distancia podia ser sentida. 
Foi a primeira vez que fomos, juntos,  ao cinema, muito gostosa a sensação. Uma noite deliciosa.
No filme, a imagem do Nelson Xavier parece que dá lugar a de Chico em muitos momentos. Parece que estamos vendo o próprio Chico, a influência espiritual dele deve ter sido bem atuante. Eu já esperava isso. Mas o que me surpreendeu foi o Ângelo Antonio, nós estamos acostumados mais com o "Chico velho", quando aparece um "Chico Novo" fica distante de nós, porém ele também conseguiu passar exatamente aquela Aura que envolvia o Chico. O olhar, o sorriso, a meiguice e principalmente a humildade foram marcantes. Uma delicia de se ver. E onde será que arrumaram um "Emmanuel" tão apropriado? Lindo ele, por sinal...

Acredito que mesmo para as pessoas que não são espíritas, a mensagem que Chico deixou é clara: Amor a Deus sobre todas as coisas e Amor ao próximo... no caso dele: "acima de si mesmo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário