quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

E o corpo, para onde vai?



A perda de um amigo peludo já é uma dor horrível, mas ainda temos mais um problema a resolver, para onde vai o corpo? O que fazer com o corpinho do animal?

No caso da Pitchula, ela ficou no HOVET-USP.  A prefeitura de São Paulo vai lá e recolhe os corpos que são incinerados

Quando ela começou a ser tratada lá eu assinei um termo que os autorizam usarem o corpo para estudos. Pode ser usado em aulas. Apesar de que a maioria não é usada, eles dispõem de mais material que necessário.
.
Algumas clinicas particulares ficam com os corpos, cobrando uma taxa do proprietário, os quais são recolhidos também pela Prefeitura.

Muitas pessoas enterram nos quintais ou em terrenos desocupados, mas não é recomendável, pois favorece o surgimento de doenças. Contaminando o solo e água. 
A mesma coisa se colocarmos no lixo comum, irão para locais inadequados, provocando contaminação e proliferação de doenças.

Existem cemitérios particulares para nossos animais. Eles dispõem de cremação também.






Em São José dos Campos é só ligar que eles (Prefeitura) vão buscar: Recolhimento em casas - (12) 3908-6012, 3908-6025, 3908-6026 e 3908-6027

Em Tubarão SC: secretaria de Serviços Públicos (3621-9064)

Para encomendar caixões em Bauru
Marcenaria de José: Rua Alfredo Ruiz, 4-38. Telefones: 3011-4764 / 8159-8336  Bauru SP

Cemitério de cães e gatos de Botucatu: Rodovia Antônio Butignoli, km 1, Rubião Jr. Telefones: (14) 9775-2898 / 8155-1836

Prefeitura Municipal de Curitiba: 156 Em Curitiba é só ligar que a prefeitura recolhe 



Obs: Informações pesquisadas na Internet

Eu, pessoalmente, tenho uma relação bem resolvida quanto ao corpo, ao invólucro que envolve a alma, Matéria é só matéria. O espírito, a alma, a substância não está mais ali, não tenho propensão a ficar cultuando os despojos, mas isso sou eu, para outras pessoas é diferente.

*Em tempo: Segundo o Murdock no Rio de Janeiro tem  cemitério para animais em Ilha de Guaratiba

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Dor versus alivio versus saudade

O que eu estou sentindo? É uma mistura de dor mais saudades mais alivio. 
Como dói a dor da separação! Estou tentando aprender a me separar da Pitchula faz 5 anos, desde que ela teve o primeiro Edema por causa do coração. 
A cada descoberta, a cada doença nova fui convivendo com a possibilidade da separação definitiva. Nesses cinco anos foi embora meu irmão e meu pai, talvez esse trabalho da separação dentro de mim tenha sido muito util nessas situações. 
Quando eu falo que Deus colocou a Pitchula no meu caminho para que eu aprendesse a ser uma pessoa melhor; alguns acham que é exagero, eu não.
Alivio, por que alivio? Eu ficava com muito medo que ela morresse sozinha, agonizando, sofrendo. Nos ultimos dias, quando eu ia trabalhar, doía muito imaginar que ela ficava sozinha e pudesse precisar de mim e eu não estaria aqui para acudi-la, ampara-la.
Como a pequena não conseguia comer, ela ia definhar, definhar e não merecia morrer desse jeito. Quando eu tomei a decisão foi muito difícil, mas depois que vi o estado que estava a garganta dela, sobrando um espaço tão pequeno, entendi por que nem água ela estava conseguindo beber e admirei ela mais ainda por ter sido tão forte e ter enfrentado aquela doença horrível sem lamentações. Fazendo festinha para nós, mesmo estando tão mal. Demonstrando que estava bem melhor do que a realidade. Uma guerreira mesmo a minha pequena!
Senti alivio pois eu decidi pela partida tranqüila, sem sofrimento, estando ao lado dela, amparando-a.
Saudades, como dói a saudade...

Pitbull e o gato

video
Recebi por email.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Ministro do Turismo?

"O deputado Pedro Novais (PMDB-MA), futuro ministro do Turismo no governo de Dilma Rousseff, anunciou no fim da tarde desta quarta-feira, 22, que devolveu aos cofres da Câmara o dinheiro usado por ele para pagar um motel em São Luís. "O deputado, verificando o erro da inclusão indevida da nota fiscal, pediu que a mesma fosse retirada do lote de indenização e ressarciu o valor aos cofres da Câmara. O erro foi corrigido", disse, em nota, seu chefe de gabinete, Flávio Nóbrega. A nota fiscal não está mais no site da Câmara." Noticia 

Uma noitada no Motel com mais 14 casais, que custou $ 2156,00 até que não foi tanto, mas para São Luis deve ser uma nota. 
Futuro Ministro do Turismo, não, não é do turismo sexual não... Mas bem que poderia ser Ministro da Saúde, um senhorzinho de 80 oitenta anos com todo esse vigor? Poderia dar a receita, ou ele está seguindo a receita de um outro ministro, "Fazer sexo ajuda. Cinco vezes por semana está bom." De José Gomes Temporão, ministro da Saúde, ensinando aos brasileiros como é que se combate a hipertensão.

domingo, 26 de dezembro de 2010

170 cobras venenosas escapam de serpentário


Do Globo
"Cento e setenta cobras venenosas escaparam de um serpentário de Santa Cruz da Esperança, a 50km de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. O registro do sumiço foi feito  na sexta dia 24,  mas o responsável pelo local disse que as jararacas e as cascavéis desapareceram na terça-feira."

O perigo é serem confundidas com as que já estão soltas por aí... 

As 170 são venenosas, mas o veneno já foi recolhido para fazer soro. As que vivem soltas continuam destilando o veneno.

Natal em Familia

Todo final de ano eu escrevo uma carta para Deus como se estivesse no final do ano seguinte e agradeço a Ele por tudo aquilo que pretendo alcançar no ano. Para quem não leu o post com o link acima, explico melhor, escrevo hoje com a data de dezembro de 2011 e agradeço tudo como se já tivesse alcançado, (o que provavelmente acontecerá no final de 2011, só estou antecipando os acontecimentos, hehehe). 
Assim: se quer uma casa nova escreve: "obrigado por eu ter comprado a casa nova" e assim por diante.
Bom, nessa semana eu abri a minha do ano passado só que ela estava datada com o dia 27 de dezembro então fechei de novo, afinal ainda não tinha acabado a chance de ter tudo realizado, mas é lógico que li alguma coisa; "curiosidade seu nome é Silvia". E uma das coisas que li foi: "Obrigada pelo Natal em familia". Para quem, como eu, que não tem mãe e não tem filhos o Natal fica muito esquisito. Ou vamos para a casa de amigos, e ficamos meio dispersos nas familias dos outros, ou ficamos sozinhos. Eu tinha a Pitchula, então ficava mais difícil ainda, não podia deixa-la sozinha e ficar fora de casa. 
Esse ano, sem a pequena cadela me senti muito desolada. 
No entanto foi o melhor Natal dos últimos tempos; eu tive um Natal em Familia! Eu tive uma familia que me acolheu, me envolveu e me absorveu! Maravilhoso! Feliz!
E eu vou poder agradecer a Deus, de fato, pelo Natal em Familia!

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Pesadelo

As vezes, quando estou voltando para casa, penso que tudo não passou de um pesadelo. Quantas vezes imaginei que ia chegar em casa e não ia encontrar a Pitchula, procurava ir me acostumando com a idéia, mas era apenas imaginação e ela estava me esperando... Eu suspirava aliviada. Hoje volto para casa e bem que gostaria que tudo fosse apenas imaginação e que ela estivesse aqui.
E eu faço de conta... faço de conta que ela está no quarto debaixo da cama; faço de conta que ela está na cozinha... Se vou na cozinha e ela não vai atrás como fazia, faço de conta que ela está dormindo na sala.
E assim vou fazendo de conta... Só minhas lágrimas que não são de faz de conta... 

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Dor animal

Clinica da dor e cuidados paliativos do HOVET USP







No Hospital Veterinário da FMVZ, o questionário é aplicado uma vez a cada semana, em animais que pertencem a um grupo específico, já submetido a triagem e que recebe os cuidados paliativos. Os animais desse grupo são vítimas de câncer ou portadores de dores crônicas.


Questionário
Perguntas feitas pelos veterinários da FMVZ aos proprietários de animais atendidos pelo grupo de dor e cuidados paliativos

1. Você acha que a doença atrapalha a vida do seu animal?

2. O seu animal continua fazendo as coisas que gosta (brincar, passear...)?

3. Como está o temperamento do seu animal?

4. O seu animal manteve os hábitos de higiene (lamber-se por exemplo)?

5. Você acha que o seu animal sente dor?

6. O seu animal tem apetite?

7. O seu animal se cansa facilmente?

8. Como está o sono do seu animal?

9. O seu animal tem vômitos?

10. Como está o intestino do seu animal?

11. O seu animal é capaz de se posicionar sozinho para fazer xixi e cocô?

12. Quanta atenção o animal está dando para a família?


Serviço
O Hospital Veterinário da FMVZ fica na Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva, 87, Cidade Universitária, São Paulo. O telefone é (11) 3091-1248 / 1364.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Eutanasia

Tomei a decisão mais difícil da minha vida. Levei a Pitchula para ser eutanasiada. Demorei para decidir, sofri muito para chegar a isso. Chorei demais, muito mesmo, mas quando eu vi que nem água ela estava conseguindo beber não achei justo mantê-la  e deixá-la sofrendo; morrendo de inanição e asfixia. Do domingo para segunda feira a respiração dela estava muito ruim, mal conseguia respirar. Durante a noite tossiu muito, teve diarréia. Não comeu nada. A noite, quando cheguei, nem na água tinha mexido. Era complicado para tomar os remédios.
Por outro lado, ela estava bem, fez festinha comigo, com minha irmã, com Elisa e com o "homem que me sorri com olhos". Parecia bem, passeou. Cada vez que eu pensava em tomar uma decisão, ela se mostrava bem. Terrível isso, parece que a gente é que está agourando.
Bom, ontem pensei bem e depois da noite insone e depois de ver que nem água ela conseguia beber, decidi. Cheguei em casa depois do almoço, dei o remédio de dor para ela, liguei para o "homem que me sorri...". E ele veio nos pegar e levar para a HOVET-USP. Eu podia ir sozinha, mas tive medo de não conseguir, ele foi ótimo, deu todo apoio que eu precisava. Ele tinha esperança que ela melhorasse. 
Quando chegamos no Hospital, a Drª Vera veio ao meu encontro e não fez muita pergunta, disse que estava esperando que eu me decidisse, mas que a partir do momento que a Odonto disse que não tinha jeito, já sabia que era isso que tinha que ser feito.
Nos levou até uma sala diferenciada das outras. Acolhedora,  com uma cor diferente, com um altar e varias fotos e cartinhas em um mural. Colocamos a Pitchula na maca, o Milton, o enfermeiro colocou o soro nela, ela ficou quietinha, e a médica aplicou o anestésico, ela adormeceu, imediatamente, com a cabeça nas minhas mãos,  não sei se aí ela já tinha ido, pois não apresentava mais nenhum movimento, depois aplicou o Tiopental. E acabou. Ela foi embora. Chorei muito, mas um choro diferente, já não era aquele desespero, era saudade já. 
A média abriu a boca dela para vermos o tamanho do tumor, pois até naquela hora não tínhamos visto direito. Estava enorme. Quase fechando a garganta, tinha uma passagem tão pequena, que não daria mesmo para passar alimentos. Um grão de ração era enorme para o espaço, sem falar que qualquer coisa deveria machucar muito. 
Eu tinha conversado com a Ceila, minha colega de trabalho, que teve que fazer isso recentemente e ela tinha me dito que depois sentiu um grande alivio. eu não acreditei que poderia sentir isso, mas agora eu falo que estou me sentindo aliviada, alivio por que se não tivesse tomado esse caminho a Pitchula ia sofrer muito, pois com certeza ela morreria por obstrução das vias respiratórias. Já pensou se ela morre sozinha enquanto eu trabalhava? Eu não me perdoaria. Acho que era esse o meu desespero, não poder ficar direto com ela. Não poder aliviar a situação. Não poder proteger ela disso tudo. Mas eu pude proteger dessa dor maior, morreu tranqüila, dormindo, sem aquele pavor de dor.
Quando acabou e eu olhei para meu acompanhante, ele estava com o rosto molhado pelas lágrimas. Me surpreendeu. 
Voltar para casa foi difícil. A casa esta vazia. Eu estou só, sem minha companheira de todas as horas. Eu estou me sentindo orfã.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Hoje sou feliz

Pitchula comeu hoje um pouquinho. O homem que me sorri com os olhos trouxe filé de peixe da feira para nós. Dei para ela que comeu um pouco cru mesmo.
Provavelmente lembrou dos velhos tempos no rancho que comia peixe cru junto com os gatos. Na primeira gravidez dela, ela comeu muito lambari fresquinho, pescado na hora. Tínhamos o cuidado de limpar e fazer filezinho para ela e comia com o maior gosto, como se fosse uma gata mesmo.
Ela está quietinha, mas já interagiu com  gente, fez festinha, passeou. Está tranqüila, não parece sentir dor. 
Não está apática, só quieta. Tossiu pouco. 
Eu estou bem agora, de manhã chorei muito. Agora estou mais tranquila também, afinal eu sempre falo que Deus não desampara não é verdade? Então tenho que acreditar nisto mais do que nunca. 

sábado, 4 de dezembro de 2010

A dor de uma separação

Quando eu era criança tive que aprender a conviver com a separação da minha mãe. Ela teve câncer de mama em uma época que não tinha recursos e a agonia dela durou três anos. Tirou uma mama, depois a outra e não tinha mais jeito, já se alastrado para o pulmão. Até hoje sinto um buraco enorme na minha vida.
Meu pai casou de novo e eu tive uma segunda mãe. Também tive que acompanhar a agonia da doença e da separação. Ela teve um AVC e ficou em coma 40 dias. Não sabia se pedia para Deus um milagre ou se pedia para Ele leva-la embora mais rápido. Dói pra caramba.
Depois foi meu marido, AVC também, depois uma queda e hemorragia cerebral. Outra agonia.
Três anos atrás, meu irmão foi embora também, mas foram mais dois anos de agonia, câncer no pulmão, quimio,  dor e a morte.
Dois anos atrás, meu pai, depois de sofrer muito com o câncer na garganta, sem poder comer, emagrecendo, definhando. Uma agonia lenta e dolorida.
Agora a Pitchula! Dói muito. As pessoas podem até dizer: "É só uma cachorra" mas não é só isso. É a minha companheira, minha parceira. Choro pela separação dela, choro por que vou ter que aprender a conviver com a ausência dela. Sofro por que não vai ter um ser me esperando quando eu chegar da rua, ficando feliz em me ver.
Sofro por todas essas perdas que tive nos últimos anos. Sofro por todos que já perdi.
Quem pode entender? Quem já perdeu também. Quem já passou por situações desse tipo é que pode entender o que estou passando.
Um dia todas as pessoas perderão alguém, seja de repente, seja lentamente como foram as minhas perdas e todos que tiverem sentimentos dentro do peito sentirão o que estou sentindo; dor, muita dor. E a unica coisa que peço é compreensão e colo, se possível, onde eu possa derramar minha lágrimas e me sentir acolhida.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Dar e Receber

Ninguém dá aquilo que nunca teve. Ninguém dá aquilo que não aprendeu a receber. 
Triste, muito triste....

domingo, 28 de novembro de 2010

Como dar remédio para um cão

Existem muitos jeitos para dar remédio. Depende do cão, do medicamento e da situação.
Para cães grandes e gulosos é fácil, é só colocar em um pedaço de salsicha e jogar que o bicho dá um bote e come sem perceber, rsssss
Tem cachorros que são espertos, comem a salsicha e cospem o remédio.
Podemos colocar o remédio na garganta dele e segurar o focinho fechado. 
Podemos também dar remédios injetáveis, o que é  aconselhável se o cão estiver com vômitos.
Temos o recurso do remédio em liquido, se não existem em liquido é só pedir para o veterinário "transformar" a receita para remédio manipulado e ao levar na farmácia de manipulação pedir para que se faça em liquido. Acho que qualquer remédio pode ser manipulado. 
Para a Pitchula eu mando manipular a Furosemida, o Besilato de Anlodipina e o Pimombedam, 
Remédio manipulado, liquido, é só colocar na seringa, que já vem junto com o remédio, se não vier, compre na farmácia aquelas seringas descartáveis, observe o tamanho, veja a indicação do remédio e compre a seringa mais adequada, para a Pitchula seringas de 5 ml  é a ideal. (Sem agulha, é óbvio!) Como ela toma varios remédios, eu tenho varias seringas, facilita, colocava remédio em todas primeiro e ia dando uma por uma. Agora a nossa situação mudou, depois que descobrimos o tumor na garganta da Pitchula, percebi que ao espirrar o liquido, machucava a bichinha, então passei a colocar na colher e despejar na boca dela. Mas a cadelinha conseguiu um jeito de refugar e jogar para fora o liquido, ela anda meio rebelde, rssss. A nova médica, a da dor, a Drª  Terezinha, falou do recurso do mel, já que minha cachorra não é diabética, podemos usa-lo. Coloco o remédio em uma colher e adiciono mel e dou para a "cã" e ela lambe tudim... 
Os remédios que ela toma que vem em comprimidos; o Lisinopril, a Espirilactona e o Pepsamar, eu dissolvo em uma colher de água e coloco mel também. E ela lambe.
Que? Estão achando que são muitos remédios? Não... Ainda falta a Digoxina, a Dipirona, o Cloridrato de Ranitidina, e o Complexo B.

Não se estresse e nem deixe o animal estressado, procure fazer da situação uma coisa gostosa, prazerosa para o animal, faça um agrado depois, dê um mimo. Imagina se vc tiver que dar remédios varias vezes ao dia, por anos a fio como eu dou para a Pitchula! São cinco anos que ela toma os remédios para o coração. Começou com dois e só foi aumentando.
E se for um gato, leia aqui

Boa sorte.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

O que acontece com nosso corpo quando bebemos cerveja demais...

Você  vai ao bar e bebe uma cerveja. Bebe a segunda cerveja. A terceira e assim por diante. 

O teu estomago manda uma mensagem pro teu cérebro dizendo "caracas véio... o cara tá bebendo muito liquido, tô cheião!!!" 
Teu estômago e teu cérebro não destinguem que tipo de liquido está sendo ingerido, ele sabe apenas que "é líquido". Quando o cérebro recebe essa mensagem ele diz: "Caracas, o cara tá maluco!!!" E manda a seguinte mensagem para os Rins "Meu, filtra o máximo de sangue que tu puder, o cara aí tá maluco e tá bebendo muito líquido, vamo botar isso tudo pra fora" e o RIM começa a fazer até hora-extra e filtra muito sangue e enche rápido. Daí vem a primeira corrida ao banheiro. Se você notar, esse 1º xixi é com a cor normal, meio amarelado, porque além de água, vem as impurezas do sangue.
O RIM aliviou a vida do estômago, mas você continua bebendo e o estômago manda outra mensagem pro CÉREBRO "Cara, ele não pára, socorro!!!" e o CÉREBRO manda outra mensagem pro RIM "Véi, estica a baladeira, manda ver aí na filtragem!!!" O RIM filtra feito um louco, só que agora, o que ele expulsa não é o álcool, ele manda pra bexiga apenas ÁGUA (o líquido precioso do corpo). Por isso que as mijadas seguintes são transparentes, porque é água. E quanto mais você continua bebendo, mais o organismo joga água pra fora e o teor de álcool no organismo  aumenta e você fica mais "bunitim"..
Chega uma hora que você tá com o teor alcoólico tão alto que teu CÉREBRO desliga você. Essa é a hora que você desmaia... dorme... capota... resumindo: essa é a  hora que o teu "fiofó" não tem dono! Ele faz isso porque pensa "Meu o cara tá afim de se matar, tá bebendo veneno pro corpo, vou apagar esse doido pra ver se assim ele pára de beber e a gente tenta expulsar esse álcool do corpo dele" 
Enquanto você está lá, apagado (sem dono), o CÉREBRO dá á seguinte ordem pro sangue "Bicho, apaguei o cara, agora a gente tem que tirar esse veneno do  corpo dele. O plano é o seguinte, como a gente está com o nível de água muito baixo, passa em todos os órgãos e tira a água deles e assim a gente consegue  jogar esse veneno fora". O SANGUE é como se fosse o Boy do corpo. E como um  bom Boy, ele obedece as ordens direitinho,e por isso começa a retirar água de todos os órgãos. Como o CÉREBRO é constituído de 75% de água, ele é o que mais sofre com essa "ordem" e daí vêm as terríveis dores de cabeça da ressaca. 
Então, sei que esta na hora a gente nem pensa nisso, mas quando forem beber, bebam de meia em meia hora um copo dágua, porque na medida que você mija, já repõe a água.





(Texto de "O bar do Zé)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Minha pequena guerreira

Eu evito escrever quando estou muito triste, não quero que as pessoas fiquem para baixo. 
Não é fácil lidar com essa situação que estou passando, mas por outro lado eu agradeço a Deus todo dia por ter me dado a oportunidade de conviver com a Pitchula, meu anjo de pelos. 
O tempo dela está acabando, é visível que ela está se despedindo da vida e de mim. As vezes ela vem no meu colo e lambe, lambe, lambe, depois desce e pronto. E cada dia é mais uma dádiva de Deus para nós duas.
Pitchula é uma guerreira, eu a admiro muito. Ela não se entrega, não chora, não lamenta, eu sei quando tem dor, eu a conheço e sei quando está incomodada, mas não reclama. 
Quem me dera aprender 10% da resignação dela. Se eu pudesse absorver esse dom...
Imagina se fosse eu que estivesse com um tumor na boca... Ia estar chorando direto. 
Ela aprendeu agora a jogar a cabeça na hora que vou dar o remédio. Dá uma chacoalhada e derruba metade do liquido. Mas eu aprendi um segredinho também, ela gosta de mel e não é diabética, então coloco mel junto com o remédio e ela lambe...
Um dia ela come um pouquinho, noutro dia ela não come nada, então faço um mingauzinho de Mucilon e dou com o meu dedo. Ela lambe. E come um pouquinho. 
Mas continua com o mesmo brilho no olhar. Continua querendo ir na rua, mesmo que ande só um pouco. Não morde mais, não posso mais falar que ela é uma velha ranzinza, até está deixando os outros fazerem carinho nela na rua. 
E maior sinal que continua na ativa: Quando encontra o Brad, que não é o Pitt, mas é tão bonito quanto, ela se derrete toda e faz a maior festa para ele, continua assanhada que só! 

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Osso Buco da série: alimentação da Pitchula

Passei no açougue domingo para comprar carne moida. Olhei o osso buco e pensei: por que não? Vamos tentar...
Cozinhei com um pouco de agua, tirei a carne do osso, cozinhei mais. Tirei a carne  e deixei só o liquido, a Pitchula já estava na cozinha farejando, achei um bom sinal. Dei uns pedacinhos de carne e ela comeu! 
Peguei uns inhames da geladeira, e uma batata doce perdida. Cozinhei na agua da carne e ainda quente bati com o Mixer, ficou um creme lindo e gostoso. coloquei uns pedacinhos de carne e dei para a Pitchula, ela enrolou, tentou, cheirou e comeu!!!!! Como eu sou feliz! 
A noite dei de novo, e ela comeu. Verdade que não comeu muito, mas comeu sozinha e por livre e espontânea vontade. Hoje dei de novo e ela... Comeu!!!! 
Ahhhh não dá outra, já fui no açougue de novo e comprei mais. Comprei batata doce e mandioquinha também, para variar, "niquique" ela enjoa, já tenho opção.

sábado, 13 de novembro de 2010

Salão do Automóvel

Nós fomos no Salão do Automóvel. Tudo que eu escrever vai ser repetitivo, já leram em algum lugar, já viram em algum lugar, mas eu preciso registrar; é igual a fotografias, posso pegar na Internet várias fotos maravilhosas, mas mesmo assim não tem o mesmo gosto que eu tirar as minhas. O pior é que eu e milhares de pessoas pensamos igual no salão. Cada dez pessoas nove tinham câmeras e cada câmera mais linda que a outra. E todos tirando fotos e mais fotos.


Felicidade

Hoje eu estou  infeliz. Pitchula não comeu!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Felicidade

Como a felicidade é uma coisa relativa.
Hoje eu sou a pessoa mais feliz do mundo! Por que? Porque a Pitchula comeu!
Se ela come; eu sou feliz, se ela não come,eu não sou mais feliz...

domingo, 7 de novembro de 2010

Como prender os cabos

Sabem aqueles cabos que temos de monte e que viram um "furdunço" sem tamanho nas gavetas? Pois bem, aproveitando a idéia da Nókia, que tem no cabo do carregador uma faixa de velcro, fiz mais algumas para todos os outros cabos.



Pegue um pedaço de velcro, coloque a parte "femea" a macia virada para um  lado, e a  "macho", a grossinha virada ao contrário, na beirada da outra parte. Costure as duas, unindo-as.





 Costure a faixa no fio, com a parte macia para cima.



Enrole o fio e prenda com o velcro.










Não sei se consegui ser clara, mas é fácil. As vezes a gente se atrapalha um pouco, mas dá certo.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Um dia de cada vez

Estamos na luta.
Um dia de cada vez. Já passou o primeiro baque. Eu vou lá no fundo do poço, chafurdo na lama, quando vejo que já desci tudo, chacoalho a poeira, ou a lama,  e sigo em frente. 
Acham mesmo que posso desanimar? não, eu não posso, tem uma Cadelinha que depende da minha atitude positiva diante da vida. Pitchula NÃO É  uma cachorra doente, ela tem problemas de saúde, mas NÃO É doente, dá para perceber a grande diferença? 
Quando eu a levo ao veterinário e tem alguma estagiaria nova e pergunta: Ela é insuficiente renal? Eu respondo de pronto: Ela TEM insuficiência renal, mas ela não é! Ter é um estado, ser é uma condição.
Pitchula ficou sem comer alguns dias, por livre e espontânea vontade, mas sobre pressão ela come, rsrsrsrs.
Não sei mais o que dar, mas vou tentando. as vezes tem uns cinco pratinhos de comida a disposição. Se ela não vai em nenhum, não tenho duvidas, faço uma papinha e dou na boca. Ela está tomando mingau de Mucilon, voltou a primeira infância, rsrsrsrs, descobrimos o mucilon agora, tem de milho também... Eu vou no supermercado e fico passeando entre os corredores imaginando o que posso fazer para ela comer.
Ontem fui trabalhar e não sabia o que poderia deixar para ela comer, tinha um pedaço de bacon na geladeira, cortei bem pequenininho fritei e misturei com arroz. Quando voltei a noite, ela tinha comido, imaginam minha felicidade? Não tive duvidas, fiz de novo, e ela comeu. Adivinham o que fiz de manhã? A mesma coisa e ela  Não comeu!  
Fui no açougue e comprei um pouco de carne moida coloquei no arroz e ela comeu! Dois dias que ela come! Como eu sou feliz!

domingo, 31 de outubro de 2010

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Masoquismo e Egoismo

Essa foto foi tirada a uns 10 dias do celular





Anônimo disse...

Desculpe-me o comentário mas você é um tanto quanto masoquista e egoísta. As decisões são difíceis, são. Mas amar também é deixar partir. O curar dos homens é muito diferente do curar de Deus. Pense nisso.

Entendo o seu ponto de vista, e aceito. A frase: Amar é também deixar partir vem bem a calhar, eu estou a cinco anos me preparando para essa partida, foi em 2005 que descobrimos o problema cardíaco e de lá para cá tenho passado por baques e me preparando para viver sem ela. (E vou confessar uma coisa: Ainda não estou preparada...)

Pode ser que eu tenha que tomar uma decisão, pode ser que não. Eu vou tomar quando for necessário, não por que eu não quero sofrer, mas para ela não sofrer. 
E  quando tiver que tomar essa decisão, faço questão de estar ao lado dela, em respeito a ela e a mim. Não quero que ela fique só. 

Quando meu pai estava mal, muito mal mesmo, conversamos; minha irmãs e eu, se ele ficasse pior se deixaríamos entubar e concordamos que não, seria um sofrimento desnecessário. Quando ele estava nos últimos momentos, ele morreu nos meus braços, a enfermeira chegou e perguntou se eu queria que fizesse alguma coisa, eu disse que não, que deixasse eu sozinha com ele, tive tempo de me despedir, fazer uma oração e principalmente estar ao lado dele, para uns isso é masoquismo, para mim foi muito importante, pois tenho certeza que ele estava amparado por mim e não em uma UTI fria.

Pontos a considerar: 
Egoísmo: Será que não é egoísmo querer acabar logo com a vida dela para eu não sofrer? Penso nisso também.


Ela está bem, está comendo, tem fome, procuro fazer uma alimentação que ela goste e que seja fácil de engolir. Dor? Ela está com remédio agora, então não está doendo. Caminha pouco, é verdade, pois o coração dela é fraco, mas por sinal, acabamos de vir da rua agora, ela foi até onde quis e quando não quis mais, eu trouxe no colo. Mas os olhos dela ainda brilham, tem vida, é diferente de um cão que não quer mais viver.

Ontem eu conversei com o cardiologista dela e ele é muito realista; disse que se tiver que passar sonda, aí não vale a pena, e eu concordo.

Quem olha para ela não vê uma cadela doente, debilitada, mas uma cadelinha idosa, mais lenta. É diferente.
Tanto é que quando eu falo que ela tem problemas de saúde as pessoas se surpreendem. 

Estou sofrendo? Sim, mas não é só com a doença dela, é por ter certeza que em muito pouco tempo eu vou ficar sem ela e são quinze anos de parceria. com ela aprendi muito.  E ela vai me fazer muita falta. Em tudo, em todos os momentos. Nos ultimos 15 anos, em todos meus momentos importantes, ela estava ao meu lado, como vai ser viver sem ela? 

Converso muito com Deus, peço que Ele não deixe ela sofrer, só isso, por que eu vou, com certeza. 
Eu agradeço a Deus por ter me dado a  oportunidade de conviver, todos esses anos, com um ser, pequeno e peludo que me ajudou a ser uma pessoa melhor.
Chorar, eu vou, e muito. Mas chorar por alguma coisa muito boa que tive em minha vida. 

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Tempos difíceis estão por vir...

Fomos no HOVET USP  hoje. Passamos na triagem e na Odonto. Conseguimos, com muito custo, abrir a boca da Pitchula e ver lá dentro o que está incomodando a pequena. Ela está com um tumor no palato mole. Aquela região entre o céu da boa e a garganta, o tumor se localiza mais a direita, deixando até livre a passagem para a comida, mas está ulcerado, quer dizer: ela sente dor ao comer.
A situação é a seguinte: provavelmente é maligno, mas para saber com certeza só uma biopsia, mas para fazer a biopsia precisa anestesiar e anestesia é um  risco altíssimo. Mas se correr o risco, qual é a vantagem de saber qual tipo de tumor se não vai poder fazer nada? Não pode operar, o local não dá. Não dá para fazer quimioterapia. Ela não aguenta. Estamos entre a cruz, a espada e a caldeirinha com a  fogueira em baixo. Fizemos um RX do tórax e do crânio para saber se ela tem metástase no pulmão, não tem. Na cabeça, o tumor está perto do olho direito e já avançou no osso. Entramos com remédio mais forte para a dor. Marcamos um ultrassom para a semana que  vem para saber a quantas anda o resto do corpo. O ideal seria uma tomo, mas para fazer a tomo, tem que anestesiar. E já marcamos consulta na clínica da dor, lá mesmo no HOVET USP e entrar em cuidados paliativo, igual ao do ser humano.
Já chorei? muito, não imaginam o quanto. Vou chorar mais, com certeza. Dói pra burro. Eu sei que ainda não é hora de tomar uma decisão. Ela ainda está comendo, está razoavelmente bem. Ela está com medo, eu sei que está. E eu estou me sentindo um nada.
Há de se lembrar que meu pai morreu a dois anos de câncer na garganta, não pesava mais de trinta quilos, pois na garganta não estava passando nem água. 

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Apetite

Um dos ultimos post, eu falava no apetite da Pitchula, em como ela estava esfomeada. Agora escrevo do quanto está dificil para ela comer. Ora ela come, ora não... Sabe aquela comidinha que eu fazia para ela, arroz, cenoura e inhame triturados e frango desficadinho? Nem pensar, ela cheira e vira a cara, parece que "enojou". Já teve dia de picar salame, que é um veneno para os rins, e colocar no arroz para ver se ela comia, comeu, no dia seguinte tentei a mesma coisa e ela olhou e virou a cara. No domingo fiz uma carne moida para mim e coloquei um pouquinho para ela, não quis, dai veio e me rodeou pedindo do meu prato, dei para ela cheira para que percebesse que era igual ao dela e ela comeu, deixei ela comer, fazer o que? Se ela comeu, melhor que ficar sem nada, concordam? No dia seguinte fui dar a mesma carne moida e ela não quis, no entanto a noite comeu.
No dia do salaminho falei com a veterinária, e ela concordou comigo, melhor comer isso que ficar sem comer nada. Em um outro dia fiz uma beterraba cozida e amassada, ela comeu sobre livre e espontânea pressão, mas depois vomitou. Outro dia dei Kani para ela, comeu com gosto, fui dar de novo e ela virou a cara.
Minha amiga mandou uma marmitinha para mim, frango cozido com legumes, ela comeu tudo, pedi para minha amiga fazer outra marmita para ela, imaginem a cena a cena: minha amiga leva a marmita para o trabalho e guarda na geladeira com meu nome, o pessoal pergunta e eu digo que a Teca fez a marmita para a Pitchula, eu consigo ficar séria, mas eles não, por que será? 
Bom, ela não quis nem olhar, a Teca caprichou tanto que colocou até um pouquinho de coentro, deve ter sido isso, já falei para ela que da próxima vez não coloque coentro que a Pitchula não deve gostar. Será que ela vai fazer outra marmita?
Fui no domingo na feira e trouxe peixe, Pitchula gosta de peixe, comeu no domingo e a noite já não quis mais.
Eu sei que cada dia tem que ser uma coisa diferente e tenho que acertar o que ela pode querer. Não, não estou mimando ela demais não, se eu deixar ela sem comida ela não come nada, ração ela nem cheira mais. Nem o ossinho que ela tanto gosta, ela não quis mais. É sério, deve ser dor mesmo, pois ela vai até o pote, parece que quer comer, mas desiste por algum motivo, esse motivo deve ser dor. Ela não é uma cachorra manhosa.
Eu sei que está muito difícil, não sei mais o que fazer, tenho que ter varias cartas na manga, pois um dia ela pode querer comer uma coisa que no dia anterior nem olhou. Vai entender... 
E isso tudo não é causado pela uréia e creatinina altas, estão com os valores aceitáveis, dentro do quadro dela. Parece que ela está com algum problema nos dentes, mas ela não deixa ver. Deve sentir alguma dor, pois já deu uns gritinhos quando come. 
E nem quer me morder mais, pode uma coisa dessa? A Pitchula, aquela cachorrinha ranzinza e mal humorada que morde por qualquer coisa não está avançando mais? Tem alguma coisa errada... A Veterinária mandou eu passar o Periogard nos dentes e gengivas, até tento e pasmem, ela tira a cabeça e não me morde!!! Deve ser muito sério em outras ocasiões ela morderia com certeza!
Já esgotei meu repertório de receitas caninas, se alguém tiver sugestão, aceito. 

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Água e sua importância na nossa vida.

Eu sempre me lembro de uma amiga que morreu de câncer nos ossos. A pessoa com esse tipo de câncer  não pode se mexer, qualquer movimento pode quebrar algum osso e ele não vai mais se solidificar. Complicada a vida. Essa mulher tinha uma fibra, invejável. E ela dizia que a maior vontade que tinha era de tomar um banho, com a água escorrendo pelo corpo, que sentia muita falta disso, pois seus banhos só podiam ser "de leito". Um dia, as filhas e os genros envolveram ela num lençol e levaram-na para debaixo do chuveiro. Como ela ficou feliz! 
Cada vez que estou meio deprimida lembro dessa mulher; para servir como exemplo de como coisas tão simples podem fazer A diferença. Como é bom tomar um banho, deixar a água lavar todas nossas frustrações e levar ralo abaixo. 
Nós temos o costume de procurar satisfação em coisas tão distantes, em possuir algo fora do alcance, em conquistas materiais e não vemos que as coisas mais simples e bem próximas podem conter nossa maior satisfação! 
A água está tão presente em nossa vida e tão pouco valorizada. Somos gerados dentro de uma bolsa d'água, nascemos, primeiro banho, batismo com água e assim vamos crescendo. Banhos de mangueira, que delicia. Piscinas, riachos, cachoeiras, o mar, será que é salgado mesmo? Vamos experimentar! Nossas lágrimas tão "molhadas", tão doloridas... 
Lembro que quando era pequena não dávamos tanta importância para ela, achávamos que nunca ia acabar, lavávamos até a calçada com a mangueira. Hoje ficamos horrorizados se vemos alguém fazendo isso. Pelo menos aprendemos a ter consciência. Eu tive uma infância boa, nadei em rio, (nadar é modo de falar, até hoje não sei nadar), tomei banho de cachoeira, fiz barquinho para soltar na enxurrada. Brinquei muito em enxurrada, até perdi a chave de casa uma vez, mas consegui achar!
Chuva, como sentimos falta dela alguns dias atrás. Aquele tempo seco, esturricado, aquela poeira suspensa, tudo empoeirado, até nós mesmos. Agora já choveu, já passou, pronto esquecemos. Acho que nosso maior problema é esse: a memória curta. Esquecemos facilmente, muito facilmente.
Precisamos refrescar nossa memória e ter sempre em mente  que a água pode acabar e que nós precisamos dela para sobreviver nesse mundo e temos a responsabilidade de cuidar da preservação dela e do nosso meio ambiente. E não é só economizando agua, mas também é consumir menos e só o necessário de qualquer coisa, pois qualquer coisa precisa de água para ser produzido. Simples!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Medicamento - sacanagem

Eu tomo um remédio todo santo dia, e é para o fim da vida. É para a tireóide. comprei hoje e diminuiu a quantidade: vinha 30 comprimidos, agora 28. Dois comprimidos não faz tanta diferença, daí comecei a fazer contas e percebi que em um ano vou ter que comprar uma caixa a mais, consequentemente faz uma grande diferença!

Blogagem coletiva - Água

No próximo dia 15 de outubro, como em outros anos, haverá uma blogagem coletiva e o tema desse ano é Água.
Se vc tem um blog, junte-se entre no site:http://blogactionday.change.org/ para saber mais informações e registre-se para ter a divulgação do seu blog.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Aprendizado

Nós estamos em constante aprendizado. 
Já ouvi diversas vezes que temos que aprender todo dia uma coisa nova para a vida valer a pena. 
Aprendemos com as coisas boas que nos acontecem, aprendemos com as pessoas que passam na nossa vida, mas principalmente aprendemos com as coisas ruins, ou aparentemente ruins que acontecem na nossa vida. 
Aprendemos que e como temos que cuidar melhor do nosso corpo depois de uma doença, tomamos consciência, ou deveríamos tomar, do que estamos fazendo de errado e como podemos corrigir esses erros; seja na alimentação, no exercícios físicos, na limitação dos excessos! 
Na nossa vida profissional aprendemos que temos que estar atualizados sempre, senão ficamos para trás. 
Aprendemos que temos que aprender.
E na nossa vida afetiva, nos nossos relacionamentos pessoais e familiares aprendemos que as pessoas não são como gostaríamos que fossem. 
Aprendemos a separar o joio do trigo, o que realmente vale a pena, o que é importante e o que não vale a pena e que é melhor ser descartado.
Aprendemos com as injustiças, com as "palhaçadas" a nos dar valor, a melhorar nossa auto-estima. 
Colocar em prática os ensinamentos de Jesus, que dizia que devemos pautar nossa vida em dois mandamentos: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo. Amar o próximo como a mim mesmo, implica em me amar primeiro, senão como poderei amar meu próximo como a mim mesmo? é lógico! 
Eu estou em constante aprendizado. 

domingo, 10 de outubro de 2010

Estatísticas versus responsabilidade

Agora que vi as estatísticas do Blog. Foi a primeira vez que vi, é novo, não tinha antes, sei lá quanto tempo que está aí...Não tenho prestado muita atenção, passo por aqui rapidamente. 
Bem, eu fique olhando as estatísticas e pensando na minha responsabilidade quando escrevo. O post mais procurado é Minha vida sem vesícula, onde eu conto o pós operatório. É gratificante ver os comentários e saber que eu posso ajudar as pessoas com a minha experiência. Mas por outro lado me faz refletir na importância de passar uma mensagem verdadeira, clara e que não possa fazer mal para ninguém. 
Meu Blog não tem tanto acesso, mas para minha humilde condição eu acho que é muito acesso. Pessoas de todo Brasil, de Portugal, Indonésia, Nigéria, Estados Unidos... Quando eu ia imaginar que um dia eu teria pessoas da Indonésia lendo o que eu escrevi? Comecei tão despretensiosamente esse Blog...
Fico imaginando aqueles Blogueiros que tem milhares de acesso em apenas um dia, será que eles param para pensar na responsabilidade deles? Acho que sim. Apesar que tem muita gente por aí adepta do "copiar e colar" que xupinham blogs alheios, essas não devem refletir não.
Mas é gostoso, muito gostoso. Que seja uma pessoa que leia já é bom. Compartilhar é bom, dividir é bom. Somar, mais ainda. E desde que eu comecei a escrever eu só somei em minha vida. Amigos, satisfações, aprendizados. Que bom!

Campanha de vacinação anti rabica

"SÃO PAULO - O Ministério da Saúde decidiu, nesta quinta-feira, suspender as campanhas de vacinação de cães e gatos contra raiva animal em todo o país. A decisão, que é preventiva, foi tomada após resultados de testes feitos pelo Ministério da Agricultura que comprovaram que o medicamento pode provocar reações adversas nos animais. O Rio de Janeiro e São Paulo foram os primeiros a apresentar problemas com a vacina. . São paulo, já havia suspendido a vacinação.
Houve notpicias de pelos menos 1.400 casos de efeitos colaterais e 200 mortes de animais. Entre os efeitos que não estavam previstos, e que foram observados, estão hemorragia, dificuldade de locomoção, hipersensibilidade de contato e intensa prostração dos animais. Essas alterações não haviam ocorrido nos testes iniciais feitos para a liberação da vacina, nem na contraprova de amostras mantidas em estoque" 
Noticia lida no Globo.  eu fico imaginando como deve estar se sentindo as pessoas que levaram seus animais para vacinarem contra a raiva, pensando que estavam protegendo seus peludos contra possível doença e vêem eles ficarem doentes ou morrerem em função disso. deve ser horrível.  O que eu não entendo é por que tiveram que esperar ter 1400 casos de efeitos colaterais e 200 MORTES!!!! Precisava esperar tudo isso? Eles ainda tinham alguma dúvida? O Ministério da Saúde adverte: "O Ministério da Saúde é lento pra cachorro". Para mim isso  tem um outro nome: Descaso. 
Eu não gosto nem de pensar na possibilidade da Pitchula estar incluída numa lista dessa. Eu costumava leva-la para ser vacinada na campanha, pois acreditava que a vacina era de ótima qualidade, o problema era a aglomeração de animais, mas eu procurava ir em horários fora de pico. Até que a uns três anos atrás ela teve uma reação no lugar da picada. Formou uma ulceração no local, difícil de cicatrizar e eu não levei mais. Bendita  hora que aconteceu isso. Senão ela poderia estar entre as vitimas nessa campanha,  em virtude da debilidade física dela, seria mais propensa a efeitos colaterais.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Correria

Esses dias andam muito concorridos. São poucas horas para muitas atividades e novidades. Veja só a hora que eu estou escrevendo...
Dobrei alguns plantões, "encavalei" outros. Só sei que nesse mês de setembro trabalhei todos fins de semana, inclusive o feriado de 07 de setembro. Junte a isso a saude da Pitchula. Deu trabalho ( e despesa) nesse mês.
Massss o mês foi ótimo. A Pitchula está bem melhor, já estou mais tranquila no trabalho, semana que vem saio de férias, estou dando conta dos afazeres, dos compromissos assumidos. A casa está precisando de uma faxina, mas os trabalhos estão em dia. Ahhhh e a pele está muito bem, suave e brilhante, kkkkkk

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Da série: Coisas que eu não entendo - Cadeirinha de criança para carros

Eu me pergunto se quem faz essas leis pensam em todos os pormenores antes e aprovam essa leis assim mesmo, doa a quem doer, ou se fazem por pura ignorância das conseqüências. 
Eu tenho amigas que tem crianças pequenas e não tem carro; quando acontece algum evento em outro lugar, sempre tem alguém disponível para dar uma carona para as mães em questão. E agora? E daqui para a frente? Como vai ser? As mães de crianças pequenas e sem carro não saem mais de casa? Tomam ônibus? Que por sinal não tem cadeirinha e nem cinto de segurança? Esperam aparecer um taxi que tenha? E se tiverem mais de uma criança? Ficam em casa; por que um taxi não vai investir em DUAS cadeirinhas, uma já vai ser milagre. 

Agora imagina a situação; uma mulher com duas crianças penduradas no fim do dia e não tem um taxi que as pegue. Vai ser uma cena corriqueira daqui para o futuro. 

Eu tenho carro, mas não tenho criança, por que teria uma cadeirinha? Lamento, mas não poderei dar carona para as minhas amigas mães e correr o risco de ganhar uma multa pela minha boa ação. E aí posso até perder uma amizade. Por que minha amiga pode pensar que é uma maldade minha não querer leva-la. E minha consciência politicamente correta? Não posso infringir uma lei!
Não, os homens que fazem essas leis não pensam. São homens sim, mulheres pensariam nas conseqüências. Homens não andam com crianças penduradas, os que andam não fazem leis.

Ontem eu estava parada no trânsito, ao lado de uma escola na saida dos alunos, estava bem ao lado de uma Van Escolar e as crianças entrando na Van. Era um monte de crianças, não consegui contar, mas não vi nehuma cadeirinha na Van. Para idade nenhuma! 
São coisas que não entendo. 
Só sei que os fabricantes de cadeirinhas devem estar faturando uma grana legal, isso eu entendo!

domingo, 12 de setembro de 2010

E Por que não?

O fotógrafo Michel Denis-Huot fez estas fotos incríveis para o Daily Mail. Já cansado da caça, a chita  acariciou o impala por cerca de 15 minutos ...












fonte:

Reforma Intima/faxina/desapego


Quando nos propomos a arrumar um guarda roupa, geladeira, arquivos no computador, as gavetas no escritório, como procedemos?

Temos que ir tirando os os objetos dos lugares, um a um, abrindo pastas, experimentando roupas, vendo o que serve, que está aproveitável, o que não se aproveita mais, o que serve, o que está apertado, o que já foi útil um dia e hoje não é mais.

Vemos o que podemos aproveitar de todo o conteúdo e nos descartamos do resto. È indiferente o destino que vamos dar àqueles objetos descartados, pode ser para doação, pode ser reaproveitamento, reciclagem, ou apenas jogar no lixo. O que importa é que como não nos serve mais; é necessário que nos desapeguemos deles, abrindo caminho para coisas novas e que vamos usar.

É assim conosco também, de vez em quando é preciso fazer uma “faxina mental”.

Começamos a examinar cada coisa, cada gavetinha da nossa mente.
Vamos vendo o que nos serve, o que pode ser reaproveitado e aquelas que temos que descartar.
Descartando aquelas velhas mágoas, eliminando os ressentimentos, vendo o que já foi útil um dia e hoje não cabe mais na nossa vida.
Vamos tornar as coisas mais simples, descomplicar, não vale a pena ficar pensando e repensando.
Vamos trocar nossas idéias “daquele tempo” por novas que se adaptam mais aos dias atuais.

Dizem os especialistas que 70% das pessoas vivem no passado, 25% no futuro e apenas 5% no presente.
O passado é útil para ter a consciência do nosso aprendizado, nossas lições.

Aprender com o passado para usarmos no presente e assim fazermos um futuro melhor.

Mas se ficamos presos ao passado, estagnamos e não evoluímos.

Vamos deixar que os mortos cuidem dos seus mortos, como Jesus falou. Quando Ele falou isso era justamente para que as pessoas se libertassem das amarras que nos prendem ao passado.

Vamos perdoar.
Esse perdão vai fazer com que levantemos a ancora que nos mantém imobilizados.

E como no nosso armário/geladeira/computador/mesa do escritório, depois da limpeza vamos ver o que precisamos repor e o que podemos adquirir de novo que vai nos servir para tornar a vida melhor.
Para nossa vida se tornar melhor, o principal é o Amor!  Amor ao Pai, amor ao próximo como a nós mesmos, o que implica amar a nós mesmos primeiro. Lembrando Paulo na sua carta aos Coríntios, no capitulo 13 ainda; Se eu não tiver amor, não adianta nada.
E para ter amor é preciso que amemos mais, muito mais. Amor é exercício. Hoje amamos um pouco, amanhã um pouco mais e assim vamos. Quando amamos a Deus amamos sua criação, seus filhos, seus animais, a natureza. Amar é incondicional. Não amamos só por que nos amam. Amamos por que é bom.
E quando nos amamos vamos nos cuidando melhor, colocando somente sentimentos bons dentro de nós, cuidamos mais do nosso corpo, da nossa mente, do nosso espírito.E consequentemente vamos tirando de dentro da nossa mente os pensamentos viciados e viciantes que so nos fazem mal.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Pitchula esfomeada


A Pitchula está bem, muito bem mesmo. A cadelinha está com um apetite de leoa. Está comendo comida três vezes ao dia. (Apesar que eu acho que uma leoa não deve comer três vezes ao dia...)Arroz, com frango desfiado, cenoura e inhame ralados, cozidos. E ração renal. Voltou a comer ração além da comida. A bichinha já deve ter voltado ao peso. Vamos no HOVET USP na próxima semana. Por enquanto agradecemos a Deus e a todos que torceram por ela e por mim. 

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Amarras


Às vezes, as correntes que nos impedem de sermos livres são mais mentais do que físicas.


Recebi por email

domingo, 29 de agosto de 2010

30.000

Puxa, passei dos trinta e não tinha percebido...

Trinta mil visitantes, depois da colocação do contador. Obrigada.

Merecimentos

Eu devo ter muito merecimento lá em cima, devo ter ajuntado alguns créditos, ou a Pitchula tem...
A minha pequena cadela saiu da crise renal, Ufa, nem acredito. Saiu rápido, em dez dias já voltou a comer normalmente e os indices do exame de sangue reduziram significativamente. A creatinina que estava em 5.5 caiu para 1.9 e a Uréia de 461 para 183!!!!!! Acho que até os médicos devem se surpreender, a expressão da drª Vera era de felicidade, quando me deu os resultados. Uma cadelinha com tantos problemas físicos; cardíacos, renais e senis, se recuperar tão bem de uma crise. Acho que São Francisco de Assis e o dr Bezerra de Menezes falam entre si: "Vamos atender logo essa mulher, senão ela não deixa a gente em paz!". Nada disso; devem falar: 'ela é uma boa pessoa, vamos dar um sopro de vida para essa "cã"'. 

E tenho também uma porção de amigos que vibram por nós duas. Muito obrigada a todos, que com suas energias positivas nos ajudaram nessa.

domingo, 22 de agosto de 2010

Alimentação de Pitchula

De manhã: banana prata amassada com farinha de aveia e um pouquinho de mel.

No meio do dia: beterraba crua, cenoura e um pouco de água, processo e coloco um pouco de farinha de aveia para dar liga.

Mais tarde: Inhame cru, maçã processados e tiquinho de mel.

A noite: repito o almoço.

A Teca trouxe pés de frango, cozinhei bem molinho e dou um pouco da cartilagem, não é muito conveniente por que é proteína animal, mas na atual situação, o ideal é que ela se alimente. "saco vazio não para em pé!"

Alguns podem até falar: "Nossaaaa tudo isso por um animal?" ( E falam; ou pensam...) Lógico, é minha responsabilidade a saúde dela, eu me comprometi com isso quando a peguei para criar. Se fosse um ser humano o carinho e a atenção seria a mesma ou maior, com certeza. 


* Proteína animal é ruim por causa da Creatinina alta, pode aumentar mais ainda.

Noticias de Pitchula 22/08

Eu devo ter lá meus merecimentos...Devo ter  angariado uns créditos lá em cima com o Senhor; ou eu ou a Pitchula, pois ela está bem melhor. A uma semana eu estava aqui me debulhando em lágrima e ela prostrada no sofá, e hoje ela está de banho tomado, tomando sol  lá no quarto e eu aqui agradecendo ao Senhor a graça concedida... Qualquer pessoa que teve um animal renal em casa sabe como é difícil a recuperação de uma crise. A Pitchula mesmo, depois daquela crise horrorosa de 2007 demorou MESES para voltar ao normal e agora mais velha, com os índices BEM mais altos, já está melhor, pelo menos aparentemente. Amanhã saberemos os resultados de um novo exame de sangue. Não está comendo sozinha, mas eu dou comida e ela come, por livre e espontânea pressão, mas come, e não regurgita. 
Ontem ela começou a tossir, deve estar começando a fazer Edema no pulmão, voltei com o diurético, por minha conta e risco. Melhor não sobrecarregar o coração. E já parou a tosse, menos mal.
Já está indo atrás de mim para todo canto, até procura comida, mas não consegue comer, a drª Vera acha que pode ter alguma lesão na boca, por causa da uréia e da creatinina, mas quem disse que ela deixa ver? Ela trava aqueles dentinhos na nossa carne que é uma beleza. Ela não ouve mais, enxerga pouco, mas os dentes...ela os tem todos, e faz uso deles muito bem, pelo menos na nossa mão. Cadelinha safada!

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Noticias se Pitchula 18/08

Fomos no Hovet USP de novo. Pitchula tomou 100 ml de soro na veia. Está mais animadinha. Vejo que ela tem fome, mas não consegue comer, já emagreceu 500g em uma semana, têm noção do que é isso? é quase 10 % (dez por cento) do peso dela. Quanto você pesa? Imagina perder quase 10% em uma semana? Seria bem legal... Mas não no caso dela, por motivo de doença ninguém quer, melhor ser gorda e com saude. 
Mas voltando, eu não sei mais o que fazer para que a Pitchula coma de livre e espontânea vontade. Tenho feito N coisas para ela, mas ela só tem comido por livre espontânea pressão. Levei para o hospital papinha de nenem, a médica ainda se admirou, pensando que ela ia comer sozinha, que nada, dei de colherinha na boca dela, e comeu. Em casa fiz franguinho...nada, ela bem que tentou, mas não conseguiu comer, fiz um mingauzinho de farinha de aveia, ela cheirou e nada, daí dei na boca, pelo menos umas colheradas comeu. E ela ia procurar comida, mas não conseguia, tadinha, cozinhei uma beterraba, amassei e dei na boca, comeu um quarto de beterraba, já fiquei feliz. Mas pelo menos ela está andando, ativa, bem diferente do domingo que ela ficou largada o dia inteiro. Sem ação, nada! Só olhos ainda tinham alguma vida, o corpo parecia entregue. 
Sei que o resultado do exame é assustador, mas visivelmente ela está se recuperando. Já recuperei meu otimismo!
Ficamos tão contentes hoje, a anos tento fazer com que a Pitchula faça xixi dentro de casa, é complicado um animal que só faz as necessidades na rua, as vezes tá chovendo, outras temos outros compromissos e temos que adequar o costume dela, outras vezes ter que sair em um frio, como hoje. E ela fez xixi de manhã no corredor,. o que seria motivos de briga, aqui em casa é e felicidade. E agora a noite ela fez no banheiro. Pronto, tirou um peso das minhas costas, agora sei que se eu não chegar a tempo, ela se vira..Que bom!