domingo, 31 de maio de 2009

Amigos



Minha amiga Silvia está cheia de novidades, ela ja tinha blog Impressões da América, aonde ela conta histórias e situações que presencia nos Estados Unidos, onde mora há quase 10 (dez) anos. Tem o Blog de sinha-clementina, com causos da vida alheia contados com aquele sabor mineiro. E agora ela vem de jornalista séria no Portal da Imprensa, toda quarta-feira. 
Além de escrever muito bem, ser uma pessoa muito legal, ainda gosta de cachorros...

* Ela presta um serviço para um abrigo de animais,  ela cuida deles, em casa, até ficarem em condições de serem adotados. É preciso muita abnegação para fazer isso!

sábado, 30 de maio de 2009

Cadela mais velha do mundo

A cadelinha Chanel é a cadela mais velha do mundo, ela acaba de completar 21 anos, isso equivale a 147 anos nossos. Ela tem uma boa saúde, o único probleminha é a catarata que está se alastrando. O que é muito comum em cães idosos. Chanel entrou para o livro dos recordes, o Guinness. 

Eu só queria saber como eles comprovaram a idade dela. 

fonte: BBC BRASIL

Anonimato

Eu leio vários Blogs, e vejo como são os comentários anônimos por aí, geralmente ácidos, críticos e muito, muito mal humorados. 
Eu ando com sorte, arrumei um comentarista anônimo muito simpático. As vezes acho que está brincando, as vezes acho que é uma mulher muito inteligente. Outras acho que é um homem galante. 

Mas uma coisa tenho certeza: torna o meu ato de "blogar" muito mais gostoso!

Presentes - 2

 
                                                  Essa é linda com essa tampa vazada

Essa caixa é uma "três em uma", bem prática!



Outro dia postei sobre presentes e falei sobre as caixas da Criadoradepresentes e acabei deixando para colocar fotos depois e ficou sem fotos. Hoje escolhi algumas que eu acho "mara" Fica como sugestão. Eu queria uma parecida com a primeira, para colocar saquinhos de chá. Vou esperar passar o dia dos namorados, pois a criadora está assoberbada com muitas encomendas.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Menina Russa

Li hoje no Destak que foi achada uma menina de cinco anos que morava com o pai e os avós em um apto com cães e gatos. A menina, Natashenka, não saia de casa de jeito nenhum. Não sabia falar e se comportava como um cão, latindo e arranhando portas. As autoridades acharam a menina depois de denúncia da mãe. 

Das duas uma: Ou a mãe demorou muito para denunciar. Ou as autoridades são muito lerdas na Russia...

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Blog novo

Montei um novo blog. É  sobre dicas. Dicas variadas, sobre qualquer coisa. Se tiverem sugestões, estou aceitando. 

  
http://dicasdapitchula.blogspot.com

Ejaculações versus próstata

Minha amiga ligou agora toda animada, disse que o marido dela NÃO  vai ter problemas de próstata. E eu curiosa quis saber por que. Ela estava assistindo um desses programas de saúde no 55 e o médico afirmava que o homem que ejacula mais de 20 (vinte) vezes por mês dificilmente terá problemas com a próstata...

Não vou nem comentar...

Atitude

Recebi por e-mail, desconheço o autor



ATITUDE!! 
   

Uma mulher acordou uma manhã após a quimioterapia , olhou no espelho e  percebeu que tinha somente três fios de cabelo na cabeça. 
   
- Bom (ela disse), acho que vou trançar meus cabelos hoje.   
 
Assim ela fez e teve um dia maravilhoso.   
 
No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e viu que tinha somente dois   fios de cabelo na cabeça. 
  
- Hummm (ela disse), acho que vou repartir meu cabelo no meio hoje.  
 
Assim ela fez e teve um dia magnífico.   
  
No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e percebeu que tinha apenas um  fio de cabelo na cabeça. 
 
- Bem (ela disse), hoje vou amarrar meu cabelo como um rabo de cavalo.  
   
Assim ela fez e teve um dia divertido.  
  
No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e percebeu que não havia um   único fio de cabelo na cabeça.  
 
- Yeeesss... (ela exclamou), hoje não tenho que pentear meu cabelo.  




ATITUDE É TUDO!
 
  

Seja mais humano e agradável com as pessoas.  
 
Cada uma das pessoas com quem você convive está travando algum tipo de  batalha.  
 
Viva com simplicidade.  
Ame generosamente.  
Cuide-se intensamente.     
Fale com gentileza.    
E, principalmente, não reclame.  
 
Se preocupe em agradecer pelo que você é, e por tudo o que tem!  
 

E deixe o restante com  Deus.

terça-feira, 26 de maio de 2009

domingo, 24 de maio de 2009

Comentários

Ufa, consegui salvá-los...

Mal sabe a Lu que devo a ela ter percebido logo. Ela mandou um comentário e vi que não estava no Haloscan e fui procurar o resto e nada... Tinha sumido tudo!
Eu andei mexendo no blog esses dias e fiz caca, e sabe como é...Quem faz backup???

Aonde estão meus comentários?

SUMIRAM MEUS COMENTARIOS DO HALOSCAN....SOCORRO, HELP

Donos sem noção


Como é que alguém tem coragem de fazer isso com o pobre animal? Ainda bem que ele não tem noção do ridiculo, senão ia comer o nariz do autor...


quinta-feira, 21 de maio de 2009

Carros oficiais pretos




Eu li uma noticia por esses dias nesses jornalzinhos gratuitos, não lembro se foi o Destak ou o Metro, na qual o governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger dizia que ia proibir os carros oficiais pretos. A primeira vista achei algo sem sentido. Depois lendo o restante pude entender. Carros pretos absorvem muito calor e quando os motoristas entram ligam o ar condicionado a toda. Que óbvio! Por que não pensaram nisso antes? Por que essa proibição não vira norma? 


terça-feira, 19 de maio de 2009

Jabuticabeira


Quando eu comecei com o Blog não tinha grandes pretensões, seria para mim um diário virtual, onde eu deixaria minhas opiniões, minhas ideias, meu dia a dia para a posteridade... Hoje eu gosto muito do retorno que ele me dá. Tem sido muito proveitoso, é uma terapia, um encontro com pessoas que pensam igual e as que pensam totalmente ao contrário. É enriquecedor. E existe situações que me deixam muito, muito feliz! Em Agosto do ano passado eu falei em um post sobre a Jabuticabeira do "quintal" do hospital, recebi um comentário do Daniel. Eu ainda dei a dica da água; jabuticabeira adora água. Dia 17 de maio recebi um email dele dizendo que a jabuticabeira dele, Jack para os íntimos, está florindo. É uma coisa tão gostosa... É um retorno cheio de carinho. O Daniel está dividindo a felicidade dele comigo, assim multiplicamos a felicidade, e eu venho aqui dividir com meus amigos a minha felicidade. Fala se não é gostoso isso?
Pena que não tenho foto de Jack, ainda.

domingo, 17 de maio de 2009

Não é linda?

Leão Genérico

Foto surrupiada do  TRETA

Mundo melhor

Essa pergunta foi a vencedora em um congresso sobre vida sustentável. 
  
"Todo mundo  'pensando' em deixar um planeta melhor para nossos filhos... Quando é que 'pensarão' em deixar filhos melhores para o nosso planeta?!?!" 

Dicas de autoajuda

  1. Você não é completamente inútil...ao menos serve de mau exemplo!
  2. Se você não é parte da solução, é parte do problema.
  3. Errar é humano, achar em quem colocar a culpa é mais humano ainda.
  4. O importante não é saber, é ter o telefone de quem sabe.
  5. Quem sabe, sabe. Quem não sabe é chefe.
  6. É bom deixar a bebida, só tente se lembrar onde.
  7. Existe um mundo melhor, mas é caríssimo.
  8. trabalhar nunca matou ninguém, mas...para que arriscar?
  9. Há duas palavras que abrem muitas portas: Puxe e Empurre.
  10. Não leve a vida tão a sério, afinal você não sairá vivo dela!
Recebi por email, desconheço autor.

sábado, 16 de maio de 2009

Gatos



Antes de adotar a Pitchula eu tive alguns gatos. Primeiro apareceu a Boneca, uma gata viralata, que vivia solta e nos adotou. Em seguida ela trouxe dois filhotes; o Biafra e a Gatinha. Biafra era um morto de fome, andarilho, sumia, voltava, mas sempre bonito. Adorava beterraba, já viram gato gostar de beterraba? Ele sumia e voltava inteiro, ao contrário dos outros  gatos que somem e voltam tudo arrebentados. Um dia, depois de dois meses de ausência, voltou com a pata machucada. E com curativo. Dai eu descobri que ele tinha outra casa, outra família. Por isso que ele sempre voltava bonito...
A Gatinha foi envenenada, veio morrer na porta de casa de manhãzinha.
A Boneca teve outros filhotes, o Negrão era um doce, tinha a ponta do rabo dobrada. Gostava de ficar no colo, feito nenem. E adorava milho verde. Já viram gato gostar de milho verde? De lata, da espiga, cozido, cru. De qualquer jeito! Teve também o Cinza, ele tinha uns olhos verdes lindos. E era bem cinza mesmo. Esse era um boêmio, sumia, voltava arrebentado, as orelhas dele eram toda picotadas. Uma vez apareceu cheio de espinho de ouriço. Já viram espinho de ouriço? Eles tem diversos tamanhos e vão entrando na carne cada vez mais. Geralmente os cachorros que vão mexer com ouriços e ficam parecendo um agulheiro. Gatos são mais espertos. Não o Cinza. Ele veio com a pata, o focinho, a boca, cheio de espinhos. Catei ele, enfiei no meio das pernas e com uma pinça comecei a tirar. Tirei os da boca primeiro. Ele fugiu. Peguei de novo, tirei do focinho e um pouco das patas. Ele fugiu de novo. Demorei três dias e no terceiro tirei o resto, já atravessando a pata para o outro lado. No total uns cinquenta. Sabiam que o perigo é pegar na boca e ir subindo até ir nos olhos por dentro? Não é lenda não, os espinhos caminham, já vi uma explicação para o caso, mas não vou caçar isso agora. Ou ficar na boca e eles não conseguirem comer.

Variações

Hoje já passei por vários sentimentos. Eu sou como o tempo em São Paulo, sujeito a variações bruscas! Amanheci nervosa, com raiva. Minha raiva aumentou muito, muito. Depois eu passei pela fase amiga compreensiva, depois a debochada, já estava gargalhando! Depois a  dona de casa. 
Fim do dia a meiga, serena surge e toma conta. Tranquila, mansa. Decidida.
Nada como um dia depois do outro...

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Xixi no chuveiro

É sério mesmo que as pessoas precisam de campanha para fazer xixi no banho

Gente...Para mim é tão natural fazer xixi no banho, que se tiver debaixo de chuva, vai me dar vontade de fazer xixi! Eu pensava que todo mundo fazia e que era a coisa mais normal do mundo. Quando eu era pequenininha, um dia eu já fui, minha mãe ensinou a fazer xixi antes de dormir com o barulhinho da água na pia do banheiro, hoje seria ecologicamente incorreto. Por outro lado ensinou a fazer xixi durante o banho, pois se fizéssemos depois não ficaríamos tão limpinhas.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Presentes

Lendo o post do Junior, fiquei pensando no ato de comprar um presente. Eu gosto de dar presentes, mas não aqueles por obrigação, gostoso é sair entrar em lojas e lembrar das pessoas. Curtir o momento da escolha. Imaginar a pessoa com o objeto, se parece com ela, o que ela vai fazer com o presente. Como ela vai fazer, como ela vai usar. Eu gosto de, passado um tempo, ver a pessoa fazendo uso do presente. É muito bom. Depois no ato da entrega do presente. Os olhos brilhantes da pessoa. As vezes não acertamos, mas quando compramos com todo o carinho, mesmo não sendo um presente valioso, as pessoas gostam. A diferença é o carinho, o amor que depositamos no ato da escolha do presente. E quando temos a oportunidade de "casar" esse carinho com o carinho de alguém que faz presentes como a criadora, é certeza que agradaremos a pessoa presenteada, pois o objeto vai "impregnado" de amor.
Um dos melhores presentes que recebi na minha vida foi uma muda de ameixa, aquela cor de vinho, que parece um cajuzinho. Um delicia, todo ano, na época da frutificação, eu lembrava com tanto carinho da Dona Fanny. E com muito sabor. Primeiro na florada, aquele perfume, depois ao me deliciar com as frutinhas. 

Se quiserem me dar um presente, estou louca por uma caixa de chá! (Não pode ser muito grande, pois meu espaço é pequeno.)

Adaptação

Fico observando a Pitchula e pensando o quanto nós temos que aprender com os animais. Eu demorei a perceber que ela estava perdendo a audição, ela não demonstrava nada, não tinha nada de diferente. Eu achava que ela estava com "audição seletiva": só ouvia o que interessava. Um dia, na USP, deixei ela solta, sem guia, quando chamei ela não atendeu, achei estranho, uma coisa que não tenho queixa é  a obediência. Ela é muito obediente. Comecei a "por reparo" e ela estava perdendo a audição. Antes ela não podia ouvir a voz do Galvão Bueno, assimilava com jogo, gol, fogos e começava a tremer. Agora pode estourar fogos que for, não faz a menor diferença. Mas o que eu queria dizer é sobre a capacidade de adaptação do animal. É tão grande que a gente nem percebe, de imediato, a mudança. Agora ela está ficando cega, a vista direita tá mal, catarata avançando, não sobra muita coisa, e ela está se adaptando.  Esses dias quase trombou no poste na rua, bem cômico, "tadinha" dela, mas ela vai se acostumando e vivendo a vidinha normal.
No HOVET- USP cansei de ver animais irem tomar quimio e entrarem e saírem do mesmo jeito, não existe neles o agravamento psicológico que tem o ser humano. Eles apenas vivem de acordo com as possibilidades. Tem quatro patas, andam com as quatros; três, aprendem a andar com três. E andam. Já vi cães andarem com duas! 
Para o homem é tudo difícil, complicado, tudo é motivo de drama.  
Eu admiro pessoas como a Isa Grou, que escolhe ser feliz, apesar das necessidades especiais.

domingo, 10 de maio de 2009

Voz

Estou sem voz. De novo, de repente. Começou na sexta feira a arranhar a garganta. Uma coceirinha chata e  no sábado de manhã cadê a voz? Justamente no sábado que eu tinha que falar para os adolescentes sobre profissões. Consegui falar tudo, falaria até mais, ainda bem.
É estranho isso. Eu estava bem, sem ansiedade nenhuma. Tranquila. Fisicamente bem também. Do nada some a voz! durante o dia melhora um pouco. Hoje amanheci sem voz de novo. Acho que preciso falar com a Marilia...

Texto de Eduardo Nunomura - Estadão

Eu gostei tanto desse texto que foi publicado no Estadão que decidi colocar aqui. É a primeira vez que vejo falarem do Emilio Ribas com tanta verdade e sem criticar. Senti até um certo orgulho de trabalhar nele. É interessante, mas as pessoas ainda tem muitos preconceitos em relação ao hospital. Depois que comecei a trabalhar, tive pessoas amigas que deixaram de me beijar no rosto, acreditam nisso?





No Emílio Ribas, um espirro diz muito

Referência no combate a epidemias, hospital tem plano contra a gripe

Eduardo Nunomura


Foi um susto quando chegou o primeiro paciente com possível contaminação de gripe suína ao Instituto de Infectologia Emílio Ribas. O jovem vinha do México, apresentava dor muscular, mas não estava com febre. Era sábado à noite, mas naquele dia 25 só havia incertezas sobre a pandemia que estava por vir. "Opa, a doença chegou", anteviu o médico Carlos Frederico Dantas Anjos, que chefiava o plantão do pronto-socorro.

Hora do protocolo. Foi isolada uma sala do PS com a proteção adequada, como aventais, luvas, gorros, óculos, máscaras cirúrgicas e máscaras 4N95, que filtram 95% das partículas e devem ser usadas pelos profissionais e pelo paciente. O jovem foi examinado e então encaminhado para a unidade de terapia intensiva. Não era ainda a nova gripe, pois ele foi liberado dez dias depois.

Em um hospital comum, pacientes gripados não são prioridade. O Emílio Ribas não é um hospital comum. Por ser referência em doenças infectocontagiosas, um espirro diz muito. Ele lidera desde 1880 o combate de epidemias como febre tifoide, malária, varíola, febre amarela, aids, hepatite e também das que não passaram de ameaças. Graças à última destas, a da gripe aviária, o instituto já possuía um plano de contingência, elaborado quando o doutor Frederico era diretor clínico. "Temos história, tradição e excelência." Desta vez, antes que muitos hospitais se mobilizassem, a unidade já recebia casos.

Se um suspeito chega ou é enviado para lá por outra unidade hospitalar, ele é isolado no primeiro instante. É um erro imaginar que ali a pessoa corre mais risco do que se viajar ao México. São Paulo possui 60 leitos de isolamento, metade deles no Emílio Ribas, todos com pressão negativa, onde o fluxo de ar impede que o vírus saia.

Os atuais casos suspeitos da gripe A(H1N1) estão sendo monitorados na UTI, que tem 16 leitos no 7º andar. Mas há outros 14 leitos preparados e equipados no PS. Nas internações, as amostras das secreções nasais e da boca são colhidas e enviadas ao Instituto Adolfo Lutz, distante não mais do que 100 metros. O paciente pode receber visitas, mas por pouco tempo e sempre paramentadas com máscara, luva, avental , gorro. Esta, aliás, é a única visão dos pacientes isolados, já que até os médicos atendem dessa forma.

O instituto é o termômetro da saúde pública, garantem muitos doutores. Se é assim, São Paulo está longe de estar febril no trato da gripe suína. Em situações de emergência, o corpo clínico e os funcionários se desdobram para homenagear um dos maiores sanitaristas do País, o médico Emílio Ribas (mais informações nesta página). Deixam de lado o dissabor de atuar numa unidade estatal, com dificuldades de material, equipamentos e pessoal. 

"Esta é a extensão da minha casa há 33 anos", resume o infectologista Caio Rosenthal. Com a gripe A, nada o faz lembrar dos anos terríveis da epidemia de meningite, quando a ditadura militar obrigou os profissionais a ocultarem da população a doença. "Mas estávamos era num hospital de guerra, com colchonetes no chão e pacientes recebendo antibióticos deitados." Ou da aids, nos anos 1990. "Antes dos coquetéis antirretrovirais, o clima era pesado, milhares morriam e não havia como evitar. Era deprimente."

Momentos críticos como o atual têm o poder de mostrar que o Emílio Ribas é motivo de orgulho para seus trabalhadores, de segurança para os que não querem estar lá e de preocupação para as autoridades. É que o instituto tem uma infecção institucional de difícil controle, como reconhece o diretor David Uip. Há dois meses no comando, ele mal teve tempo de diagnosticar o próprio hospital. A gripe A atacou antes.

Para a Secretária da Saúde, trata-se de uma unidade cara demais. Poucos atendimentos para os cerca de 300 médicos e 1.800 funcionários. Por mês, são atendidas 1.800 pessoas no PS, 3.800 no ambulatório e 250 internações. Há 194 leitos disponíveis e uma capacidade teórica de 300. Médicos do instituto criticam a terceirização dos laboratórios e a falta de pessoal.

Em 15 mil metros quadrados, o hospital atende predominantemente pacientes soropositivos. As outras doenças acabam sendo preteridas, o que faz o Emílio Ribas se distanciar da vocação de ser um centro de referência para as moléstias infectocontagiosas. São nove andares, cada um deles loteado por faculdades de medicina particulares. "Cobram caro do aluno e não criam serviços de infectologia em seus locais", critica Marcos Boulos, diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

David Uip terá R$ 30 milhões para melhorar o Emílio Ribas. Metade servirá para erguer um novo prédio para o ambulatório, criando mais 104 leitos, e outros R$ 3,3 milhões para comprar aparelhos. Será o ponto de partida para integrar o instituto com o Adolfo Lutz, a FMUSP, o Instituto de Medicina Tropical, todos no complexo das Clínicas. É mais uma tentativa de criar um Centro de Controle de Doenças aos moldes do americano. Hoje, a realidade é outra. Se um paciente do Emílio Ribas precisar de uma tomografia, em vez de ir até o vizinho Hospital das Clínicas, ele tem de ir até Itaquera, zona leste.

domingo, 3 de maio de 2009

Virada Cultural

Foto do Estadão
Eu fui na Virada Cultural ontem a noite. 
A noite estava ótima, nem frio, nem calor, uma lua linda. Que delicia andar pelo centro de São Paulo sem aquela correria do dia a dia. Me senti em uma cidade de primeiro mundo, onde as pessoas podem andar pelas ruas a noite sem medo. Tranquila, assim me senti. Muita gente nas ruas, gente bonita, gente nem tanto. Muita mistura, pessoas que nem costumam vir para o centro. Pessoas de diversas tribos reunidas. Até onde vi, sem tumultos. Eu fiquei entre o Pateo do Colégio, a 15 de novembro e o Mosteiro de São Bento,  ou seja, entre música Técno, Black Music. Me diverti. Dancei como a muito tempo não dançava, voltei com os pés doendo.