terça-feira, 29 de julho de 2008

TPM

TPM, é muito engraçado, sempre é um homem que descobre que você tem essa coisa. Meu marido sempre falava quando eu estava muito irritada: ainda não "desceu"? Dai um dia assistindo um desses programas de médico na televisão, ele matou a charada...É a tal da TPM. E eu negava, imagina eu com TPM, isso é frescura! Acho que a maioria das mulheres tem essa atitude.
Eu sei que tem meses, como esse, que eu fico numa irritação, num chororô. Tento me controlar, sei que é algo físico, mas eu não consigo! Quando vejo já perdi o controle...

*Já passei do post 200!

TUMOR

Estou com medo. Dei banho na Pitchula ontem e aproveitei e cortei os pelos, ela estava muito peluda. Como ela anda muito delicadinha, é só encostar a mão e ela fica brava, não ando apalpando ela muito. E as mordidas dela? Os dentinhos estão bons ainda... Bem, os carocinhos da mama dela estão aumentando. Já falei que a probabilidade de ser câncer é de 90%? Pois é, são nódulos duros, o que diferencia dos outros, que são adiposos, molinhos. Os nódulos dobraram de tamanho. Estão crescendo, isso não é bom...Preciso pedir um outro Raio X do torax para ver se não existe metástase nos pulmões. Nem pergunte o que vai ser, se tiver!

domingo, 27 de julho de 2008

WALL-E




Eu fui assistir WALL-E essa semana. Não é uma animação para crianças. Eu achei até muito "pesado". Ver a Terra naquela degradação tão grande, deixa a gente deprimida. É um filme quase sem diálogos dos pesonagens principais: a conversa de Wall-e e Eva se resume a um dizer o nome do outro, com muita graça, diga-se de passagem...e de Wall-e e a sua fiel amiga, a barata é menos ainda. Mas é doce, a gente se apaixona pelo robozinho-lixeiro. Ele é encantador; pronto a se sacrificar pelo seu amor, e fazer qualquer coisa para que ela fique feliz. Lindo isso, neh?

ENTERRO DE OBESOS MÓRBIDOS

A TÍTULO DE CURIOSIDADE:
Eu estava conversando com um motorista da funerária (Municipal de São Paulo) no sábado e ele me contava sobre o enterro de um homem que morreu num hospital da Zona Norte, esses dias atrás.
Nunca tinha pensado em como seria feito esse enterro, e olha que eu lido com mortos direto, é o meu trabalho. Pois bem, ele contava que a Prefeitura tem caixão disponível para esses óbitos. Esse que morreu pesava 420Kg, vou repetir para confirmar: 420 (quatrocentos e vinte quilos) Bom que existe caixão, eu até imaginava, mas não pensava em como seria o transporte, pois por mais resistente que fosse esse caixão, como ele seria carregado? Pelas alças? Jamais! De madeira, por mais forte que fosse, racharia. De metal? Cederia! O caixão é de madeira, reforçado, com 2,5m de comprimento por um metro e pouco de largura, (dependendo do tamanho) e com meio metro de profundidade. Mas o transporte é feito pelo Corpo de Bombeiros, com aquela viatura que é reta em cima, os Bombeiros içam com aquelas alças colocam na viatura, levam até a beira da sepultura, que já foi previamente aberta, mais que o normal, e içam o caixão para dentro dela. Fiquei imaginando como devemos aos Bombeiros, como eles são úteis. Como dependemos deles! Já pensaram se amanhã ou depois eles virarem e falarem que só vão apagar fogo? Estaremos perdidos, para não dizer outra coisa!

quarta-feira, 23 de julho de 2008

DA SÉRIE: RAZÃO VERSUS EMOÇÃO

Não tenho postado muito, meu humor anda variando demais, quando penso que estou legal, já não estou mais. É complicado, para mim, lidar com emoções fortes.

PROBLEMAS DE PORTUGUÊS

Eu descobri o que anda me incomodando na nossa "relação". É um probleminha de conjugação de verbos. Isso mesmo, conjugação de verbo!
Como uma conjugação de verbo pode atrapalhar uma relação emocional? Explico: eu continuo conjugando o verbo na primeira pessoa. EU vou... EU faço... EU preciso... EU...EU... e em contrapartida na terceira pessoa do singular também: ELE vai..., ELE faz..., ELE precisa... EU vou na exposição, ELE vai jantar com os amigos. EU vou almoçar com amigos, ELE vai almoçar com a família. Não existe o NÓS, eu continuo sendo uma pessoa sozinha!

quinta-feira, 17 de julho de 2008

SUSPIRANDO

Ando suspirando pelos cantos. Sorriso frouxo, pele lisinha e brilhante. Me arrumando mais, vendo o mundo em suaves tons pastéis! Um doce para quem matar a charada!

MARINA AKEMI


Essa é a pequena e séria Marina Akemi. Ela é filha da Fabiana e do Kony, meus amigos.
É uma bonequinha, mesticinha, delicadinha e muito séria. Ela quase não ri. Quando muito nos brinda com um sorriso. O que será que passa por trás desses olhos profundos? O que será que o futuro nos reserva? O que será que esses olhos vão ver que nós não veremos?

sexta-feira, 11 de julho de 2008

MEMÓRIA


A memória da gente é muito esquisita. Fui na feira hoje e vi rabanete, me deu vontade de comer, diga-se de passagem que depois da cirurgia meu paladar ficou diferente, tenho vontade de comer coisas mais saudáveis, ainda bem. Chegando em casa já comecei a comer e minha memória foi lá longe...Quando eu e o Miguel fomos morar no rancho, eu queria plantar uma jabuticabeira, mas não aquela híbrida, mas sim a verdadeira. O Miguel não quis, ele dizia que só plantaria algo que pudesse ver frutificar e jabuticaba leva quinze anos, no máximo plantaria rabanetes.
Sabem quanto tempo o rabanete leva para 'frutificar'? 25 (vinte e cinco) dias!

(Se tivesse plantado a jabuticabeira, ele não teria visto frutificar mesmo!)

quinta-feira, 10 de julho de 2008

FOLGA












Feriado de 9 de julho, 10hs da manhã, em plena Av. Brigadeiro Luis Antonio esquina com a Treze de Maio, ali no Bixiga, debaixo do Viaduto da Treze. Tive que parar para rir!

NOVAS IDÉIAS

Eu mesma me surpreendo com meu modo de ser; fico arrasada, afundo, penso que nada vai dar certo. Choro, me descabelo, e saio a andar. É bom andar, facilita o raciocínio. Essa semana já sai a andar, meio que sem destino, pelo prazer de andar, aclara as idéias! Pronto, já passou tudo. Simples! Por que será que as coisas tem que ser tão difíceis? Hoje já não vejo tão escura a situação. É lógico que eu saio mais desiludida com o ser humano, lógico que minha visão do mundo dá uma guinadinha. É lógico que saio mais fortalecida também. Aquela velha história: eu faço de conta que sou forte e acabo acreditando que sou. E consigo convencer até as outras pessoas dessa minha "fortaleza", hahahaha. Touceira de bambu na beira do rio, verga, verga, e levanta impávida como se não tivesse acontecido nada.

terça-feira, 8 de julho de 2008

PENSANDO...

Quando pedimos a Deus paciência, Ele não dá paciência de mão beijada, Ele nos dá meios para adquirir a paciência, e esses meios requerem muuuiiiiitaaa paciência!


Esses últimos tempos não têm sido fáceis; é a perda do apto, não pelo apto em si, mas por todo o desgaste de meses de expectativa, ansiedade, dinheiro, sonhos, projetos investidos em uma coisa que virou nada. Sem falar que a situação na qual ocorre essa perda é estranha, muito estranha.
É o problema do trabalho, não é nada fácil ficar esperando alguém morrer para trabalhar. São muitas horas ociosas que os colegas investem em intrigas e fofocas. Como exercitar o que se aprende em um ambiente assim? Como disse antes, o próprio local de trabalho é pesado. Sei que tudo tem uma razão de ser, mas acaba exigindo muito. E eu fico num dilema, será que será melhor trocar de local, ou ficará do mesmo tamanho. Queria ter respostas prontas...
Isso sem falar que eu já vinha da longa batalha com a saúde da Pitchula, que me consumiu energia, tanto física como psicológica. Foram meses de luta, onde teve horas que eu pensei que teria que optar por uma eutanásia até. Foi quase um ano de angustia. Tiramos(eu e os médicos do Hospital Veterinário da USP) ela dos braços da morte umas três vezes. Primeiro a crise de insuficiência renal, depois a doença do carrapato, Erlichia, que consome as plaquetas, a coitadinha quase ficou sem sangue, depois a operação as pressas do útero no começo desse ano.
A minha operação nesse contexto todo foi "bico", ainda mais com o respaldo que tive (alguma coisa boa tinha que ter).
Vamos ver se daqui para a frente as coisas assentam e aguardar o que o futuro reserva.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

ANSIEDADE, SEU NOME É SILVIA

Quando será que eu vou conseguir aprender a ser menos ansiosa? É difícil, muito difícil! Começo a ficar até com coceira. Sério, tenho coceira mesmo. Meu pescoço está empolado, vermelho, com a pele esquisita e coça, coça! Eu sei que quando eu peço paciência para Deus, Ele me dá meios para adquiri-la, será que do mesmo modo, Ele fica me dando situações para que eu aprenda a controlar minha ansiedade? Preciso prestar atenção nisso!

sábado, 5 de julho de 2008

"DEPENDÊNCIA AUTOMOBILíSTICA"

Como as pessoas são dependentes de um carro. Hoje eu ouvi uma pessoa que tinha marcado um encontro comigo virar e falar: O carro está no mecânico. Frase normal, se não tivesse carregada de uma dramaticidade... parecia que estava dizendo: estou com os dois pés engessados. Eu respondi, perguntando qual o problema se ele estava do lado de uma estação do Metrô e eu umas três a frente! Acredita? Eu fiquei estarrecida, as pessoas estão cada vez mais dependentes de um carro. Eu tenho carro, mas para mim ele é um complemento. Ando na maior parte do tempo de condução. É muito mais prático, não preciso me preocupar com estacionamento, nem com trânsito, por que se ficar parado, eu desço da condução e vou a pé e além disso contribuo para um ar menos poluído. Simples. E se tiver de carro? Largo o carro no meio da rua? Apesar que outro dia eu vi uma mulher largar o carro naquele "buraco" no fim da Paulista, bem na curva. Doidim ela...
Verdade, as pessoas não conseguem sair do lugar se não for de carro. Parece que se imobilizam, não conseguem alternativas. Até concordo que os ônibus em São Paulo não são lá grande coisa, mas nem por isso são tão terríveis assim. E temos opções, Metrô funciona, é limpo, e rápido, na maior parte das vezes é mais rápido ir de Metrô que ir de carro. E agora com essa lei "tolerância zero" com relação a bebida alcoólica, as pessoas deixam de sair para se distrairem por que preferem ficar em casa a sair sem o carro ou não beber. É estranho isso, beber é necessário para se divertir? Quer dizer que só bebendo as pessoas conseguer rir, brincar, transar? É assim?Que coisa mais chata. E só conseguem sair de casa se tiverem condução própria? Se não tiverem vão ficar imóveis, estaticas? Estanho, neh? E dirigir alcoolizados pode? Com a possibilidade de provocar acidentes, pode? As pessoas são muito esquisitas...

quarta-feira, 2 de julho de 2008

"SEMPRE QUE HOUVER UM VAZIO EM TUA VIDA, ENCHE-O DE AMOR"

Eu recebi este texto por email, achei-o ótimo, consultando "tio" Google: Amado Nervo é pseudônimo de Juan Crisóstomo Ruiz de Nervo (27 de agosto de 1870 - 24 de maio de 1919), poeta mexicano.
'Sempre que houver um vazio em tua vida, enche-o de amor.' "Amado Nervo"
O tempo não transforma o homem. O poder da vontade não transforma o homem. O amor...esse sim, transforma! As etapas que atravessamos na vida nada mais são, que degraus que subimos ou descemos, segundo os caminhos que nós mesmos escolhemos, na maior parte das vezes, os atalhos que preferimos e onde decidimos deitar nossa cabeça. Padecemos? Sim... e de vez em quando precisamos de uma parada que nos dê a consciência que nada somos aqui, além de filhos em busca de uma terra prometida. seja qual for o caminho percorrido e o quanto falta ainda pela frente. São nossas barreiras emocionais, a insegurança, o medo, a falta de fé, que paralisam nossas pernas. Mas Deus jamais nos diz para atravessar sem que Ele mesmo nos forneça os meios para chegar do outro lado.
Se não vamos, é porque confiamos demais nesse nosso lado humano e de menos na nossa parte que mais se parece com Deus, nosso lado espiritual.Nosso bom relacionamento com Deus faz a diferença... como no amor ou amizade, onde quanto mais próximos estamos de uma pessoa,
mais acreditamos nela, mais confiamos.
A guerra que se estabelece na nossa cabeça nos momentos de escolha é muito comum e todo mundo, sem exceção, passa por isso. Há um lado que nos impele a ir em frente e o outro que nos enche de dúvidas. 'E se?'
'E se não der certo?' 'E se eu não for capaz?' 'E se não for isso?' Muitas são as desculpas que achamos para nos fazer desanimar e, não raro, muitos se apegam a elas e param no meio do caminho, ou seguem outra direção...se distanciando da felicidade.
Não existe meio amor, meia felicidade, meia saudade.
Todo sentimento por si só é inteiro.
Ou a gente é feliz ou não é; ou ama, ou não ama; ou quer, ou não quer. Quando amamos, dúvida não existe; se queremos realmente, dúvida não existe; se somos felizes... cadê o espaço pra infelicidade, se a felicidade toma conta de tudo?!Quando a gente se sente nesse meio caminho, talvez seja o momento de parar e refletir um pouco na nossa existência. A vida é inteira, mas não temos a vida inteira para decidirmos vivê-la intensamente. Temos o agora. Há quem diga que pelo fato de ser jovem ainda tem tempo. Mas quem, além de Deus, sabe dizer a medida da vida de cada um? Perdemos um tempo precioso no nosso hoje, com a idéia que amanhã as coisas acontecerão e que podemos esperar. Quando começamos a medir e pesar nossos sentimentos, não vamos a lugar nenhum.
Haverá sempre uma luta cerrada entre o coração que quer viver e a razão que mede conseqüências. Mas, medindo dificuldades, não fazemos nada. Se devemos medir alguma coisa, devem ser então as possibilidades. Aí sim, estamos no caminho certo.
Só enfrentando os medos e o desconhecido é que conseguiremos viver de forma inteira essa vida que se oferece a nós em pedaços. São raras as situações em que não há riscos. E é raríssimo, não termos medo...mas não é melhor arriscar, do que viver o restante dos nossos dias na infelicidade de se perguntar o que teria sido se tivéssemos tentado?
Existem pessoas felizes e pessoas infelizes, e todas elas se questionam. Umas bebem champanha e outras água da torneira, e se fazem as mesmas indagações. Se existe uma coisa que nos unifica são as dúvidas que trazemos dentro de nós mesmos
Mas...deixemos aberto o NOSSO coração; A Felicidade está sempre batendo a nossa porta, basta abrí-la e convidá-la a entrar (ISSO é assumir riscos !? rss).
Não haverá paz exterior enquanto o interior estiver em guerra, enquanto não compreendermos que somos o sal da terra e que se nossa luz não brilhar, todos os caminhos serão escuros.
A paz interior não está no alto ou em baixo, nos mares ou nas montanhas e nem mesmo nas maravilhosas flores que tanto nos fascinam.
A paz interior começa onde começa nossa compreensão de que nada somos se de nós não damos. Se não a encontramos, é porque buscamos errado. Ela não começa do lado de fora, ela começa e termina em nós.
A gente não recupera tempo perdido. Mas podemos decidir não perder mais.
Vamos amar os corações que nos cercam e tentar alcançar novamente aqueles que se distanciaram. Há sempre tempo para se amar. E se não houvesse, o próprio amor seria capaz de inventar. Só mesmo o coração é capaz de tantos erros e tantas desculpas, tantas mágoas e tantos perdões, tantas condenações e tantas absolvições.
Quando as oportunidades baterem à sua porta, antes de dizer não com um monte de desculpas que nem você mesmo acredita, olhe para o alto. Se uma vozinha responder dentro do seu coração e sua alma se encher de paz, é que você fez a boa escolha. Vá, então, em frente! Não espere ver todas as soluções de uma vez só, as flores nascem cada uma a seu tempo e há frutos para todas as estações. O amor é esse sentimento que brota todos os dias, como uma flor que explode de um botão ao mais sutil beijo do sol... Isso, sim, se chama amor...
Guarde no seu coração o amor a si mesmo e aos outros, cultive a fé como arma de luta, como escudo, seja guerreiro na história, nem que seja a sua e vença, porque se Deus acredita em você, não há razão para duvidar.
Ser feliz, fazer outros felizes, estar contente de si, ter amigos, um amor de verdade, valem mais que todo o ouro do mundo junto. E são essas riquezas que devem se impregnar em nós, são esses tesouros que devemos buscar...e conservar!O valor do que somos é muito maior que o do que possuímos. Lamentar coisas perdidas não acrescenta um mínimo à nossa vida, mas a esperança de dias melhores, que damos e que nos damos, é um tesouro de valor eterno e inestimável.
As rosas não são menos belas por possuírem espinhos. Portanto, não exija de si mesmo e nem dos outros a perfeição. Seja apenas o que você é, seja verdadeiro. Os que te amarem além da sua aparência serão aqueles pelos quais sua vida vai valer a pena.
A felicidade é um exercício diário de levantar a cabeça e seguir em frente ... apesar dos pesares.
Não podemos, nem devemos deixar que as tristezas dominem o dia, não deixemos que as mágoas sejam mais fortes que as boas lembranças. Ser realista...é saber que mesmo que agora eu esteja triste, nada me impede de abrir a janela e deixar que o sol penetre e traga luz para a minha vida. É sempre possível fazer um esforço... e geralmente são as coisas pelas quais lutamos com nosso coração que dão razão à nossa vida.
Faça da sua felicidade a sua luta.
Sua alegria e seu sorriso serão a sua vitória!
Amanhã o sol será o mesmo mensageiro da luz, mas as circunstâncias, pessoas e coisas, poderão estar diferentes. Hoje significa o seu momento de agir, semear, investir suas possibilidades afetivas em favor daqueles que convivem com você.
Hoje é o melhor período de tempo, na direção do tempo sem fim...Seja apenas isso: FELIZ!
Com arte, com cor, com bom humor (AMOR)
As coisas simples são normalmente as que pensamos por último,
mas geralmente são a base de uma vida equilibrada e feliz!

terça-feira, 1 de julho de 2008

SEM VESÍCULA

Pronto, eu já operei, já tirei a vesícula. Como será que se nomeia alguém que não tem vesícula?
Eu tinha passado no hospital na outra semana e o médico disse que eu arrumasse os exames e que assim que ele tivesse uma vaga me ligaria e eu tendo tudo arrumado seria mais fácil. Na terça feira, dia 24 de junho, as três horas da tarde, me ligou e disse que tinha uma vaga para o dia seguinte, assustei, mas acabei concordando, liguei para a Ro para ficar com a Pitchula, essa era minha primeira preocupação, como sempre, como ela disse que podia contar com ela. Fiquei tranquila. arrumei as coisas e a Marina me levou para o hospital. Nossa, ela foi uma gracinha; me tratou como se fosse minha filha, pode uma coisa dessa? Uma moça que entrou comigo no trabalho, que não tem laços mais profundos, e age como se eu fosse família! Eu não digo sempre que Deus coloca anjos na minha vida? Marina é mais um anjo. A operação foi tranquila, acho, pois eu não vi nadica de nada, mas achei que demorou muiiiittoooooo para eu voltar para o quarto, desci era umas sete da manhã, e só voltei para o quarto umas quatro da tarde.
Eu nunca tinha passado por uma situação assim, operei a garganta quando era pequena, (naquela época se operava amígdalas ainda) mas não lembro de nada, só do sorvete depois da operação. Voltar da anestesia é estranho, eu queria acordar, mas não conseguia. Minha cabeça mandava eu abrir os olhos e os olhos não obedeciam. Meninos desobedientes...
Eu estou bem, sou forte, não é fácil me derrubar. Eu esqueço que estou operada, as vezes saio no pique de costume e depois percebo que não dá. Canso. Só senti dor no pescoço e nos ombros nos dois dias seguintes da operação, não sei se foi a posição na mesa, eles levantaram meus ombros para deixar o pescoço livre, ou se foi a tensão, ou ainda os dois juntos. Sei que senti muita dor. Tomei uns dois comprimidos, eu não conseguia posição para dormir de dor, fora o nervoso que passei, mas aí já é outro post...