domingo, 17 de fevereiro de 2008

AMOR INCONDICIONAL

Eu coloco aí ao lado que a Pitchula está me ensinando o que é amor incondicional, mas não sei se sou boa aluna; pelo contrário, acho que estou estou aprendendo outra forma de amor, ou talvez isso seja o tal do incondicional. Estou cada vez mais me desapegando das pessoas, não "preciso" desesperadamente delas para viver bem. Nem minha família, nem meus amigos. Eu nasci sozinha, me sinto só, não no sentido ruim da palavra, mas de conviver bem mesmo comigo. É claro que gosto de conversar, de trocar idéias, de carinho, de atenção. Mas nada disso é "imprescindível" para viver bem. As vezes penso que posso ser 'anormal', mas em outras acho que esse deve ser o ideal. Não sufoco e nem quero ser sufocada. Comparando: Pitchula me ama, adora quando eu chego, é muito carinhosa, faz um monte de carinho e pronto. Vai para o canto dela e não quer nem que eu ponha a mão. Passou o momento, deu o tempo, entende? Foi a cota necessária. Assim estou ficando. Preciso até um certo ponto, depois não é mais necessário, igual comida, passou a fome; para que comer mais???? (Depois sentirei fome de novo...).
Já fui muito "necessitada", agora superei isso. Será que é uma evolução?
Ou talvez tudo isso seja fruto de toda minha vivência, aprender a não depender emocionalmente das pessoas, afinal nem sempre elas estão disponíveis quando vc precisa. Deve ser essa a explicação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário