sábado, 23 de fevereiro de 2008

MARCAS

Marcas...Hoje parei enfrente ao espelho e fiquei olhando minhas marcas. Não rugas, mas marcas; marquinhas e o que cada uma delas lembra. Olho em volta dos lábios e tem aquelas provocadas pelo ato de fumar; já faz tempo que larguei o vício, mas as marcas estão lá para me lembrar.
Tem aquele sinal de uma herpes que tive, por que foi mesmo? Ahhhh lembro que foi em função de um "porre" que tomei, mas que porre? Não lembro, foram tantos ao longo da vida, hoje bem mais comedida, não tomo porres (talvez devesse tomar um!).
Tem outra marquinha na parte superior do lábio, ahhhh essa foi a Pitchula, é um risco que ela fez com o dente. E aquela manchinha branca no lábio mesmo, também foi uma mordida.
Essas marcas não saem mais e sempre vão nos lembrar alguma coisa, mas e aquelas marcas que não vemos todo dia, mas que estão lá? Bem que poderiam ser apagadas para que não lembrássemos das coisas que as causaram. Como se fosse fácil...

CARTÃO CORPORATIVO


Se todo mundo pode ter, por que a Pitchula não pode ter um?

domingo, 17 de fevereiro de 2008

AMOR INCONDICIONAL

Eu coloco aí ao lado que a Pitchula está me ensinando o que é amor incondicional, mas não sei se sou boa aluna; pelo contrário, acho que estou estou aprendendo outra forma de amor, ou talvez isso seja o tal do incondicional. Estou cada vez mais me desapegando das pessoas, não "preciso" desesperadamente delas para viver bem. Nem minha família, nem meus amigos. Eu nasci sozinha, me sinto só, não no sentido ruim da palavra, mas de conviver bem mesmo comigo. É claro que gosto de conversar, de trocar idéias, de carinho, de atenção. Mas nada disso é "imprescindível" para viver bem. As vezes penso que posso ser 'anormal', mas em outras acho que esse deve ser o ideal. Não sufoco e nem quero ser sufocada. Comparando: Pitchula me ama, adora quando eu chego, é muito carinhosa, faz um monte de carinho e pronto. Vai para o canto dela e não quer nem que eu ponha a mão. Passou o momento, deu o tempo, entende? Foi a cota necessária. Assim estou ficando. Preciso até um certo ponto, depois não é mais necessário, igual comida, passou a fome; para que comer mais???? (Depois sentirei fome de novo...).
Já fui muito "necessitada", agora superei isso. Será que é uma evolução?
Ou talvez tudo isso seja fruto de toda minha vivência, aprender a não depender emocionalmente das pessoas, afinal nem sempre elas estão disponíveis quando vc precisa. Deve ser essa a explicação!

sábado, 16 de fevereiro de 2008

OPÇÕES

Estamos sempre entre dois lados, ou até mais...O certo e o errado.
E o que está certo? E o que está errado? Será mesmo que para um lado estar certo, o outro tem que estar errado?
Eu sei que é muito dificil optar e abrir mão do outro. O que é mais importante? A grana, a estabilidade, ou a possibilidade do novo? A segurança do conforto? Não correr riscos? Ficar o esperando que as coisas mudem por si só? E gradualmente? Por que estagnarmos? Água parada apodrece! Os medos, ahhhhh os nossos medos... E por que termos medo? Vamos embora daqui a qualquer hora e deixaremos tudo, tudo para trás! E sem aviso, sem podermos nos despedir.
Hoje o genro de uma amiga, de vinte e poucos anos e com uma neném de meses, morreu ao ser atropelado por um trem. (Ainda existe atropelamentos por trens, eu achei que era uma coisa que não acontecia mais!) Deixou uma mulher jovem e uma filhinha, não teve tempo de despedir.
E eu aqui preocupada com opções, com medo de arriscar e ter a possibilidade de me dar bem!

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

GUGA



"Sobrou vontade, mas faltou condição física. A estréia de Gustavo Kuerten no Torneio de Sauípe marcou também sua despedida da competição nesta terça-feira. "
Ele ainda pede desculpas... Nós é que temos que lhe agradecer por tudo que nos prporcionou nessa sua carreira. Eu sinto muito orgulho de você. Você é uma pessoa excelente; um caráter irretocável; um "bom menino". Eu chorei junto com vc e com Lair.
Amo você! Que Deus lhe abençoe e ilumine seus caminhos!

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

GENTILEZA


Seja gentil com os outros, por que;
Com o tempo, isso fará diferença!







CRISE DE VESÍCULA

Hoje eu tive uma crise de vesícula! Que dor horrorosa. Cheguei no hospital já chorando; as lágrimas teimavam em cair. E que dor, minha vontade era de rolar pelo chão.
Tenho um cálculo, pelo menos era um, não sei se procriou. Minutos que esperei para ser atendida, pareciam horas. E me espremia de dor. Parecia que ia detonar tudo lá dentro. Para pegar a veia já foi uma coisa; depois conforme o líquido salvador ia entrando, eu ia me acalmando e acalmando minha dor. Fiz um ultrassom que comprovou que o cálculo continua lindo lá, no mesmo lugar, ainda bem. O perigo maior é ele cismar de sair dali.
Há uns meses atrás eu já tinha passado no médico por causa desse cálculo e como eu não tinha sintoma nenhum, a médica me convenceu que não era necessário operar; imagina eu lembrando disso hoje? Se ela aparecesse na minha fente, eu torcia o pescocinho dela.

INSÔNIA

Pitchula teve insônia essa noite...kkkkkkk
Pitchula tem insônia e eu tive uma noite de "cadela"...
Como ela está com as unhas compridas, cada vez que ela levaqntava e ficava andando pela casa era um tec tec tec tec e eu lógico; acordava. daqui a pouco ela passava por cima de mim e ia beber água: slhec, slhec, slhec, slhec, slhec...e eu acordava. E pedia: vamos dormir Pi, eu tenho que acodar cedo...Ela deitava e não passava muito tempo e, lá ia ela de novo...

sábado, 9 de fevereiro de 2008

CASTRAÇÃO

Se lhe falaram, ou você leu em algum lugar, que cães castrados ficam mais mansos, mais dóceis; não acredite totalmente. Por experiência própria eu lhe digo que a Pitchula continua do mesmo jeitinho: ranzinza, mordendo bem. Até falei com veterinários e disseram que a regra não vale para todos. Se você está pensando em castrar para deixar mais manso, ou ao contrário: tem medo de castrar e seu animal ficar um bobão, não tenha receio, não é geral. Vai muito do animal. De como foi criado, da índole dele e outras coisitas.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

PRENDAS

Ando tão prendada esses dias... Já bordei ponto cruz em duas toalhas de rosto. Hoje já fiz uma calça e uma camisola pra mim. Ontem fiz uma focinheira nova para a Pitchula, (tem que usar na USP senão ela morde todo mundo, kkkkk).
Fiz umas almofadas novas para meu sofá, forrei a cama da Pitchula e fiz um colchonete novo para ela também e bem gordinho, macio.
Tenho mais uma toalha de banho para bordar. Muito prendada essa mulher!


terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

QUANTO TEMPO VIVE UM CÃO?


Estava lendo uma reportagem na Folha Uol foi feito levantamento na região metropolitana de São Paulo por pesquisadores de quatro universidades (USP, Unip, Unicsul e Metodista) e concluiram que os cães vivem em média 3 (três) anos, eles não esperavam esse resultado. "Ficamos chocados. Quase não acreditamos. Três anos... A idade é baixa demais", diz o veterinário Henri Bentubo, um dos autores do estudo.

Segundo o estudo publicado na revista científica "Ciência Rural", as causas mortis mais comuns são as doenças infecciosas, tumores e traumatismos. O estudo derruba por terra a crença que viralatas duram mais, vivem tanto quanto os puros. Os castrados estão entre os mais longevos. E também entre os cães, as femêas vivem mais. E cães gigantes vivem mais que os pequenos.

Os cães pesquisados foram os atendidos em hospital veterinário e clinicas, ou seja, os bem cuidados, imagina o resto? Os cachorros do primeiro mundo vivem entre 9 e 11 anos, dependendo do país.

De velhice só 5% morrem, com certeza a Pitchula está nessa percentagem.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

BEBIDAS NAS ESTRADAS


Acho de uma estupidez sem tamanho essa coisa de proibir venda de bebida alcoólica nas estradas. Quem mora em cidades pequenas, muitas vezes, frequenta esses restaurantes no fim de semana e só por que o motorista não pode beber, os acompanhantes não podem tomar uma cervejinha? Dá licença...E aqueles que vivem do comércio de produtos locais, tipo: vinho, licores, como ficam? Será que o governo pensou no impacto econômico que vai causar nesses locais?

Será que eles pensam que todos que compram uma garrafa de vinho em São Roque ou em Caxias do Sul são bêbados causadores de acidentes?

Quem bebe mesmo não espera chegar na estrada para beber. Ele já vem "calibrado" das cidades.

É a velha história de vender o sofá da sala. Por que o governo não se preocupa em FISCALIZAR e PUNIR os infratores da LEI QUE PROÍBE DIRIGIR ALCOOLIZADO??? Como não tem competência para isso, proibe a venda de bebidas. Por que eles não tiram os cartões de crédito corporativos das mãos dos perdularios, assim não teríamos escândalos? Por que não tiram o poder de uns incompetentes? Assim não teríamos governantes falando que: "Não sabiam"...

domingo, 3 de fevereiro de 2008

SOFRIMENTO

Eu sofro em conta gotas. Sofro por antecipação. Penso e imagino o sofrimento para ver se vou me acostumando com ele. O sofrimento em questão é a perda da Pitchula. Sei que ela não vai viver para sempre, sei que com todos esses problemas que ela tem, o tempo dela se torna mais curto.
Nos dias que vou trabalhar, são aqueles que eu fico mais tempo longe dela, 12 horas no mínimo.
Já acho uma judiação ter que dar diurético antes de sair e deixá-la fechada em casa, sendo que ela não faz xixi dentro de casa, mas não tenho opção, tenho que dar.
Procuro não pensar nela ao longo do dia, senão sofro mais ainda e não vai adiantar, fico imaginando essas mães que tem que deixar seus filhos pequenos para trabalharem, coitadas, como devem sofrer. Na hora de voltar para casa começa minha agonia: e se tiver acontecido alguma coisa com ela? E se ela passou mal? E se ela morreu??? Daí meu coração começa a apertar e meus olhos encherem de lágrimas e tento ser racional; isso vai acontecer um dia! E se acontecer? O que eu faço? Quais as providências que devo tomar. Eu tento ser racional quando vejo que vou me desmanchar. Penso na parte prática da situação; isso é com a Pitchula, com meu pai, com qualquer um. A diferença dos meus familiares para a Pitchula é que ela EFETIVAMENTE vive em minha função, ela vive para mim e por mim. E eu por ela.
Somos nós duas, quando eu digo um "ai" por que me machuquei, a única que corre para me acudir é ela, quando choro, é ela que vem secar minhas lágrimas, quando eu estou triste, é ela que tenta me animar, quando estou carente, é ela que vem me fazer carinho...
O outros? Bem os outros quando precisam de alguma coisa me procuram...

sábado, 2 de fevereiro de 2008

TRANQUILIDADE


Ai, que delícia, cidade calma e tranquila!


Tá bom, até a hora que eu cismei de acompanhar Elisa na 25 de março! KKKKKK
Aquilo é uma loucura, não dá nem pra andar direito, é uma mistura de comprador, sacoleiros, ambulantes, carros, policiais, tudo ao mesmo tempo e no mesmo espaço! Quem disse que dois corpos não cabem no mesmo lugar? Tentem entra no shopping 25 e me digam se não cabem...

E calor, até que enfim voltamos ao verão! Já que essa semana tivemos de tudo um pouco nessa louca cidade; fez frio, choveu a beça, ventou, e agora voltamos ao sol e calor, muito calor!