domingo, 30 de dezembro de 2007

BALANÇO DE FIM DE ANO -- 2007


Agora que o ano termina, nada como fazer um balanço e ver o que ganhamos e o que perdemos nesse ano e principalmente avaliarmos o que aprendemos.

Quero agradecer a Deus em primeiro lugar, por tudo que sou e por tudo que tenho.

Agradecer aos meus familiares, por ter aprendido a ter mais compreensão.

Agradecer aos meus colegas de trabalho por ter aprendido a ter mais tolerância, a ser menos confiante e inocente.

Agradecer aos meus companheiros de luta pela vida; Elza (sumirê), Maria Alice (Naninha), Maria Alice (Pituca), Cris (Pituxa), Vick, Euzari (Lambão), Rodolfo, Nem (Lassy), Maurício ( Baloube), Marcos (Brisa), Regina (Tieta), Silvia (Chiquinha), no Hospital Veterinário da USP, o companheirismo, o apoio, o carinho.

Agradecer aos médicos veterinários: Khadine, Paula Leal, Bruna, Vera, Denise, Guilherme, por tudo que fizeram pela Pitchula, e por mim, nesse ano. Agradecimento estendido aos enfermeiros, estagiários e residentes.

Agradecer ao pessoal da Seara, aos amigos da "Panelinha": Bia, Marcia, Silvia, Celso, Maria Tereza, Célia, Alberto, Abrão, Janeth, Roberto, Luis Antonio. Que muito me acrescentaram.

Aos orientadores desse ano e dos outros que permanecem presentes em minha vida: Roberto, Maria Rita, Cynthia, Fábio, Salete, Salete Benevides, Neuza, Dirce, Adolfo, Nadia, Cilene, Carlos, Plinio, Lucia, Lucy.

Agradeço também ao pessoal que eu frequento aqui na Internet; a Fal, com quem derramei algumas lágrimas, a Rosana, que me abriu a cabeça, a Inagaky, ao Junior, ao André, ao Meritíssimo, ao Cirilo, ao Murdock , ao Dagô, todos que me fizeram pensar com mais clareza nesse ano. E com mais sensibilidade. A Claudia Lyra, as meninas do Cintaliga, que trouxeram leveza.

A todas aquelas pessoas que cruzaram minha vida, real, ou virtualmente; todos fizeram a diferença. Muito obrigada!
Devido a uma "suave" pressão, retifico meu post acrescentando: Agradeço a todos que: nominal ou anonimamente, comentaram aqui. Espero contar com vocês o ano que vem...
E ao pessoal do meu prédio, que sempre está ao meu lado, nem que seja no elevador. A "doida" da Elisa, a Analia, o Remy, o Noé, e todos os outros; eu me dou bem com todos, graças a Deus!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

NATAL NO RANCHO

Fui ao rancho nesse Natal. O rancho fica na beira do rio Paranapanema, acho que o último rio limpo de São Paulo. 230km da capital.
O rancho foi durante muito tempo minha casa.
Logo que casei, fomos morar lá, depois da morte do Miguel, ainda fiquei uns dois anos sozinha, quer dizer, com a Pitchula.
Voltei para São Paulo em 2000, e a casa ficou fechada, eu ia as vezes, mas já não era como antes.
Fui desapegando, tomando consciência que não tinha como mantê-lo. Por mais que eu goste do lugar, a não ser que eu arrumasse um marido caprichoso, que gostasse de pescar e de manter bonito o local, não dava pra mim. Cada vez que eu ia, trabalhava pra caramba, voltava cansada. Eu vendi o rancho nesse ano. E só agora fui até lá, tinha que ir ver o que "sobrou". O novo proprietário deixou umas coisas que eu pedi separadas. Sai com uma caixa na mão e mais umas fotos e documentos. É engraçado, uma vida, anos e anos se resumem em uma caixa tipo engradado.
Não foi fácil, mas também não foi tão difícil, como ele já fez algumas mudanças na casa, a sensação foi menor, mas o que me incomodou foi ele ter cortado algumas árvores. Cortou o pé de caqui, nossa como era doce aquele caqui....Cortou a amoreira da beira do rio, como dava amora grande e boa, e além disso uma sombra muito boa. Ahhhhh, mas o pior foi os ingazeiros. O da beira do rio e o outro mais acima. Como davam sombra, eu reconhecia minha casa de longe por que via o ingazeiro de longe. A copa dele sobrepunha a casa...Mas por outro lado, com isso tive certeza que não era mais minha.
Fiquei na casa do Seu Pedro, vizinho, mas não me senti muito a vontade. Acabei voltando antes, podia ter ficado lá até sexta, só trabalho no sábado, mas não tive "pique".

DICAS SOBRE CACHORROS --- IDADE


QUANTOS CÃES SÃO NECESSÁRIOS PARA TROCAR UMA LÂMPADA?

QUANTOS CÃES SÃO NECESSÁRIOS PARA TROCAR UMA LÂMPADA?
  • Golden Retriever: O sol está brilhando, o dia mal começou, temos toda a vida pela frente e você está enfiado dentro de casa preocupado com uma lâmpada?
  • Border Collie: Apenas um. Eu vou trocar a lâmpada, o interruptor e toda a fiação que estiver com problemas.
  • Dachshund: Eu não consigo alcançar essa lâmpada idiota!
  • Beagle: É mais confortável dormir no escuro.
  • Poodle Toy: Deixa comigo, eu vou bater uma linha pro Border Collie e ele resolve tudo. Quando ele terminar de trocar a fiação, minhas unhas já vão ter secado.
  • Rottweiler: Vai encarar? Vem me fazer trocar!
  • Old English Sheep Dog: Lâmpada? Lamento, mas não estou vendo nenhuma lâmpada.
  • Pug: Hm... dois. Ou talvez um. Não... pensando melhor, dois! Está bem assim?
  • Shi-tzu: Meu bem, me poupe. Deixe a criadagem cuidar disso.
  • Labrador: Eu, eu, eu, por favor! Deixa eu trocar a lâmpada! Posso? Posso? Hein?
  • Malamute do Alasca: Deixa que o Border Collie troca. Enquanto isso, você pode me dar comida. Cocker Spaniel: Trocar lâmpada pra quê? Eu não preciso de luz pra fazer xixi no carpete.
  • Irish Wolfhound: Será que não dá pra arrumar outro pra fazer isso? Estou de ressaca...
  • Greyhound: Essa lâmpada não se mexe. Esquece!
  • Afghan Hound: Lâmpada? Que lâmpada?
  • Bouvier: Aquilo que eu acabei de comer era uma lâmpada?
  • Pastor Alemão: Eu tomo conta da lâmpada enquanto você decide. Não cheguem perto!
  • Jack Russell Terrier: Eu vou alcançar! Eu sei que vou conseguir alcançar! Só mais vinte pulos e ela vai ser minha, só minha!
  • Mastiff: Não tenho medo de escuro.
  • Poodle Standard: Eu treinei meus humanos para fazerem isso.
  • Basset Hound: zzzZZZzzzZZZzzz...

Fonte

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

LAMBÃO



Ontem foi mais um amigo da Pitchula. Lambão.
Daquela turma toda, está restando poucos. É mais um que se vai, mais uma proprietária que fica orfã. Ele estava mal, teve um tipo de AVC e estava com uma lado paralisado e não conseguia nem fazer xixi direito. E como sempre enfrentamos o mesmo dilema: quando é hora de abreviar o sofremento do animal? É justo isso? Temos esse direito? Mas por outro lado, é certo deixarmos o animal sofrendo só para tê-los perto? Não é egoismo também?
O que é certo? O que é justo? Temos o direito de ficar prolongando indefinidamente a vida que se esvai?
Hoje conversando com uma colega psicóloga, e dona de animal também, ela disse que a gente sabe a hora, que o próprio bicho nos "diz" que é hora.
Eu, e todas as pessoas que partilham a mesma situação, preferiríamos que não precisássemos tomar uma decisão dessa, mas infelizmente, as vezes temos que tomar. Que Deus, se puder, me poupe disso, e se não, que me intua a hora certa!

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

SUGESTÕES PARA 2008

CELEBRE! Cada novo dia.

CULTIVE! Tudo que você recebe de bom.

ENTRE EM CONTATO COM VOCÊ! Toque-se, ame-se, esteja em paz consigo.

SEJA CRIATIVO! A criatividade sempre ajuda.

PLANEJE! Não ande sem rumo.

TENHA METAS! Alcançaveis.

ABRA NOVAS PORTAS! Sem medo.

TRABALHE! Com afinco.

NUNCA DESISTA! Só se perde quando se desiste.

LUTE! Nada nos é dado de graça, e se for, talves não tenha valor.

ENCONTRE UM LUGAR! Só para você.

RELAXE! Você precisa.

BRINQUE! Você precisa de alegria.

CURTA! Saiba aproveitar.

ENCANTE-SE! Nunca perca o prazer de se encantar.

APRENDA! Com certeza ainda há muito o que aprender.

DESCARTE! Existem coisas que não precisamos carregar conosco: ódio, inveja, rancor, mau humor, tristezas.

SONHE! A vida não é nada sem eles.

BUSQUE! Procure com ardor o que deseja.

AME! De verdade e com toda a força do seu ser.

ORE! O sentido da vida está em Deus.

SEJA FELIZ! Isso depende de você muito mais que você pensa.


(Desconheço o autor)

CONFIDÊNCIAS


Fim de ano, hora de reflexão, momento de avaliar onde acertamos, onde erramos.

E principalmente o que poderemos mudar para que nossa vida fique melhor no ano que vai iniciar.

Eu acabo de descobrir uma qualidade que se volta contra mim. Pode? Uma virtude que faz mal para você? Pois é. Eu sou uma pessoa "confiável", as pessoas confiam em mim, elas confiam no meu bom senso, confiam no meu discernimento. Então elas vem e contam tudo para mim, se abrem, confiam à mim seus mais íntimos segredos e principalmente seus sentimentos. E aí que mora o perigo, porque depois disso elas se estruturam de novo, tomam uma decisão, que pode não ser aquela que falaram para mim e depois passam a me evitar. E é assim que minha qualidade se volta contra mim, pois a pessoa acaba se afastando, eu a lembro, mesmo que inconsciente, seu momento de fraqueza, de instabilidade emocional. E ninguém quer isso; ficar lembrando de suas falhas, suas inseguranças.

Bom, a partir do momento que vc toma conhecimento de alguma coisa vc tem que se posicionar, e 'agora, José'? O que eu faço? Deixo de ser uma pessoa que as pessoas podem contar para desabafar? Não ouço mais ninguém? Escolho para ouvir só aquelas que eu tenho certeza que sabem lidar com suas inseguranças? Mas se sabem lidar com suas inseguranças não vão precisar que eu as ouça...Eu sei que uma posição tenho que tomar, não posso continuar assim....

domingo, 16 de dezembro de 2007

PARADOXO DO NOSSO TEMPO



Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critérios. Dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde. acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e rezamos raramente. Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores.Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente.
Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.
Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.
Aprendemos a nos apressar e não, a esperar. Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos menos.
Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.
Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas "mágicas".
Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa. Uma era que leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar 'delete'.
Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão por aqui para sempre.
Lembre-se dar um abraço carinhoso num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer.
Lembre-se de dizer "eu te amo" à sua companheira (o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, se ame... se ame muito.
Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro.
O segredo da vida não é ter tudo que você quer, mas AMAR tudo que você tem! Por isso, valorize o que você tem e as pessoas que estão ao seu lado sempre.
Deus escreve com uma pena que nunca borra, fala com uma língua que nunca erra, age com uma mão que nunca falha".
Desconheço o autor, recebi por e-mail

AGRADECIMENTO--HOVET-USP



Mais uma ano que termina.

Mais uma vez estou aqui, apesar que muitos acreditavam que eu não sobreviveria, não foi uma ano fácil, no meio do ano tive uma descompensação, nem sei por que, e a insuficiência renal de controlada, se descontrolou completamente. Para agravar, insuficiência hepática.
Foi "bravo", foram meses para conseguir equilibrar, dias e dias naquela sala de fluido; médicas, enfermeiros, estagiários, minha "mãe" e eu na luta pela sobrevivência.
Vendo meus companheiros indo embora, apesar de toda a luta.
Vendo minha "mãe" consolando e sendo consolada, exames que pioravam, exames que melhoravam...
Para completar; a doença do carrapato, um bichinho tão pequenino e que causa tanto estrago, eu 'peguei' a tal da Erlicchia. Agora a catarata que se agrava e uma luxação do cristalino, (bilateral).

Sem contar a cardiopatia séria, a coluna diminuindo os espaçamentos, a artrose, os nódulos nas mamas... a bem da verdade, eu estou é ficando velha...Mas quero viver.

Percebe que não tive um ano fácil, mas por outro lado foi uma ano muito feliz, pois eu sei que existem pessoas maravilhosas que torcem por mim e fazem o máximo para que eu continue tendo uma qualidade de vida.

Quero registrar o agradecimento as pessoas que muito me ajudaram: Drªs Khadine, Denise, Bruna, Vera, Paula Leal, Dr Guilherme, os enfermeiros Carlito, Gilberto, Milton, Toninho, aos vários estagiários e residentes que passaram ao longo desses meses pela Clinica Médica.
Agradecer também a todas pessoas que com carinho e atenção atendem os diversos setores: do guichê o Ademir, a Terezinha e os outros que não lembro o nome, o pessoal do RX, do laboratório e até as meninas da limpeza, que também contribuem para o bem estar dos pacientes.

Eu estou bem, até engordei de novo o que tinha perdido. Vamos para 2008!

Muito obrigada a todos, que Deus os abençoem.

E que tenham um ótimo ano novo.


Pitchula
168416

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

ASSALTO

Mãos para cima!!!
Passe para cá seu mau humor,
Seu cansaço,
Suas tristezas,
Suas preocupações.
Não adianta reagir...
Agora que me entregou tudo,
Segue em frente...
Não olha para trás..
E se eu te pegar de novo
Por essas 'quebradas' com
O coração cheio de coisas
Chatas e ruins com certeza
Irei te assaltar novamente...




Desconheço o autor--recebi por e-mail

CARTA DE AGRADECIMENTO 2008


Há alguns anos atrás a Ana Maria Braga, em um programa de fim de ano, contou que ao invés de ficar fazendo listas de intenções para o ano seguinte, ela escrevia uma carta de agradecimento a Deus, como se já tivesse conseguido o que queria. Uma carta com a data do ano seguinte. Assim: se quer uma casa nova escreve: "obrigado por eu ter comprado a casa nova" e assim por diante.

Eu escrevo as cartas desde 2002 e só abro no mês de dezembro do ano, como agora, estou abrindo a que escrevi em dezembro de 2006, com a data de dezembro de 2007, com os agradecimentos das coisas que queria que acontecesse nesse ano, e como sempre de 70 a 80% eu consegui realizar. Ano após ano é assim, se não consigo tudo, mas a maioria sim, e as não realizadas são copiadas para o ano vindouro. E como tenho todas, eu posso assegurar que nos dois anos depois foram cumpridas. Fé? Pode ser...

Mas tem que saber "agradecer" (pedir), não adianta coisas mirabolantes, nem pedidos muito complexos, tem que ser claro e objetivo. Lembro de um ano que minha irmã colocou na carta: obrigado pelo meu "cantinho"--ela foi morar com duas amigas e ficou com o menor quarto, quase um armário, um "cantinho" como tinha pedido...Por favor, não 'agradeça' o homem maravilhoso, honesto, amante completo, amigo, companheiro, com boa situação financeira, sem complicações. Como isso é uma utopia, provavelmente não será atendida!

No ano passado eu já sabia que meu irmão estava com câncer, eu não poderia pedir um milagre, mas sim que ele não sofresse, e ele não sofreu, não foi parar no hospital, numa UTI como não queria, morreu, pode se dizer, tranquilamente, estava num churrasco, comeu, brincou, jogou truco, se divertiu, passou mal e não chegou no hospital, morreu a caminho. Esse é o exemplo mais forte. Geralmente começo pela saúde, dos que me são caros; é o mais importante. Depois pelas coisas que não tem preço, como mais tolerância, compreensão, paciência, menos ansiedade e assim por diante.

Depois os pedidos relacionados a trabalho, estudo, moradia. E só depois os bens materias, por que também eu não sou tão espiritualizadas a ponto de dispensar esses mimos...

Ahhhhh; eu peço (agradeço) o homem maravilhoso, companheiro, amante completo, etc, etc, etc,

e como é muita exigência, fico a ver navios...

Detalhe, teve um ano que eu pedi um namorado legal, carinhoso, realmente eu consegui, mas ele era apenas isso: legal e carinhoso!

COMENTÁRIOS

Coloquei o HaloScan nos comentários; e eu não sei onde foi parar meus esparsos comentários...
Estou a caça do comentário perdido, ainda bem que eu guardo cópia para mim, mas tá difícil arrumar. Eu tenho uma "certa" preguiça em ler instruções até o fim, consequentemente estou penando!

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

COTIDIANO

Consegui comprar o livro que eu estava procurando: O Lado Oculto das Coisas--C. W. Leadbeater, em um sebo aqui perto da Praça da Sé, não achei em livraria nenhuma e apelei para o sebo. No segundo que fui, achei. Vamos à leitura agora, parece complexo.
Montei minha árvore de Natal. Estilizada, mas muito bonitinha...é minha!
Comecei as arrumações de ano novo, limpando ármarios, jogando fora o que não presta mais e dando o que pode ser útil para outras pessoas. Tem muita coisa para fazer, tem coisas que ainda tenho dúvidas se guardo ou dispenso. 2008 vou para uma casa nova, com certeza, e não sei se ela terá espaço para essas coisas...
Estou em plena TPM, estou irritada, e também super sensível qualquer coisa me incomoda, ora me tira do sério, ora me faz chorar. O pior da TPM é que você sabe que é em função dela o seu estado, mas não consegue controlar o que sente! Ainda bem que passa...

sábado, 8 de dezembro de 2007

O CARONA

Eu li essa no msn autos e achei hilaria, imagina a cena...

O Carona

O fato relatado por José Carlos, entretanto, de tão inusitado, fisgou-me na alma.
A cena começou no escritório.– Alguém mora lá pelos lados do Shopping Anália Franco?– Eu, do ladinho.– Seu rodízio é às segundas, não é? – Sim...A pergunta do odiado gerente financeiro parecia tão inocente que o analista José Carlos respondeu de supetão. Mas logo o chefe lançou o olhar por cima dos óculos, o mesmo usado quando chamava a próxima vítima para reuniões de feedback. - É que troquei de carro. Cara, estou com um BWM 550i. Que máquina! Se você tiver que comprar outro carro, prefira esse.Sugerir um carro de mais de R$ 300 mil àqueles que, como o analista, levariam duas décadas para ganhar esse valor era apenas uma entre as tantas tentativas de humilhação utilizadas diariamente pelo chefe. Outra era a bomba que, já pressentida por José Carlos, estouraria sobre ele: "Preciso de carona às sextas-feiras, dia do rodízio do meu 550i. Me pegue amanhã às 7h em frente ao shopping, tudo bem?"Claro". O que mais José Carlos poderia responder? Sabia que aquele ser arbitrário tomaria qualquer desculpa como uma insubordinação imperdoável. C-l-a-r-o. José Carlos repetia cada letra, que o envenenava como a cicuta a Sócrates. A vida tão curta, o tempo tão rápido, as opções tão poucas. E ele agora perderia algumas preciosas horas no carro para refletir sobre os mistérios do mundo, trocar como bem entendesse (freneticamente, diga-se) as estações do rádio e tirar caca do nariz em paz. E na volta? Estava fadado a voltar no horário imposto pelo patrão. Não era justo. Aliás, isso poderia configurar assédio moral. Mas José Carlos tinha um plano que, se funcionasse, além de quente vingança, renderia boas risadas com os amigos.Dia seguinte, shopping Anália Franco, 7h. José Carlos deixara o banco da frente livre para o chefe. No de trás, porém, estava Zeus, seu dog alemão que babava por todos os cantos. A mulher tagarela em plena TPM. O filho caçula, estragado pela mãe, que gritava se contrariado até por si mesmo. O chefe olhou por cima dos óculos. Tirou os pêlos do banco e se acomodou com um bom-dia tímido. Automaticamente, Zeus – que não tinha problemas com autoridade – o lambeu do pé da nuca ao topo da cabeça, deixando o cabelo com efeito de gel. A mulher, mal José Carlos deu a partida, fez o gerente descer do carro e tirar o paletó. "Tem um botão solto, tira isso que eu costuro. Tenho agulha e linha aqui". O filho reagiu: "Eu coleciono botão, me dá!" O homem, resignado, voltou para o carro e entregou o paletó. Zeus deu nova lambida. O menino berrou. E, assim, chegaram à zona sul.No escritório, José Carlos avisou que a mulher, mais o filho e Zeus, voltariam para pegá-los no fim da tarde. Tinha certeza de que seria a última carona que daria ao chefe. Mas a vida é sempre uma surpresa. - Será que sua mulher gostaria de dirigir um 550i? Filho da mãe, pensou o analista. Claro que o manda-chuva daria um jeito de retribuir a humilhação. Perguntou, bravo, por quê.- No dia do seu rodízio, ela, Zeus e seu filho, poderiam nos trazer e nos buscar com meu carro. O cara era mais perverso do que José Carlos imaginava.
Queria mostrar que nada o atingia.- Eles vão destruir seu carro novo, chefe! – desconversou.O homem, meio tristonho, passou os olhos pelo botão costurado, pela ausência do botão reserva dado ao filho do funcionário e ajeitou os cabelos ainda gosmentos. Foi só então que José Carlos entendeu. A boa hora solitária que lhe faltaria no dia do rodízio era a única companheira das longas horas do chefe.- Segunda-feira, às 7h! – festejou o funcionário.Há um mês, duas vezes por semana, aqueles cinco vêm e vão entre lambidas, gritos e sussurros. No escritório, as coisas não mudaram muito: o homem continua olhando por cima dos óculos. Mas José Carlos já não sente tanta raiva assim.

INFERNO ASTRAL




Estou sem telefone desde ontem, parece que entrou água na fiação e vários assinantes ficaram com o telefone mudo. Liguei (do orelhão) na Telefônica agora a pouco e disseram que não tem previsão para voltar, como estou sem celular também, consequentemente não tenho despertador, pois usava o celular, depois o serviço da Telefônica, amanhã eu vou acordar como? (Detalhe: as 5hs da manhã) Tem algum despertador online? Despertador virtual?
Pelo menos o Vírtua está funcionando.
Foi o que eu falei para a atendente da Telefônica: ainda bem que cancelei o Speed. E a moça ainda falou que como o pedido está em aberto e amanhã é domingo, pode ser só na segunda feira...
Depois da semana que tive, faltava essa para completar.
Tentei comprar o celular essa semana, o que eu quero não encontro em lugar nenhum, quando eu encontrei, nas Americanas, fiz a compra, só que o sistema não completou e depois ele aparece como esgotado...
Sobrou o MSN, G-Talk e Skype: menos mal!
Só que meu pai não usa Internet!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

OCTAGENÁRIO




Hoje, 07 de dezembro é aniversário do meu pai, ele completa 80 anos. Essa foto é mais ou menos recente, ele está bem mais magro agora, deve estar com uns 50kg, não tem apetite, mas tem um brilho nos olhos...Enquanto eu ver aquele brilho, eu sei que ele está bem. Apesar de tudo que ele tem passado. Ele é cardiopata, tem um problema sério na válvula mitral, já teve câncer na garganta, foi operado, o que dificulta a alimentação, mas não a fala, ele só ficou mais rouco depois da cirurgia. Mas como eu disse; ele tem aquele brilho de vida nos olhos, parece um jovem, a cor dos olhos dele é aquele azul profundo...
Em novembro, ele passou um "perrengue": ladrões invadiram a casa dele, mora no interior, e estava sozinho. Os ladrões ficaram com ele das 23hs até as 4hs da manhã, reviraram a casa toda atrás de dinheiro que ele não tinha, levaram o que puderam carregar, e pelo menos não judiaram dele. Menos mal. Nos dias depois ele até teve um problema de saúde e precisou ficar internado, mas saiu e está bem, falta engordar um pouco. Mas qualquer um, no lugar dele, teria ficado traumatizado até, ele não. Já está bem e disse que vai evitar ficar sozinho lá para não facilitar para os "amigos do alheio", mas não por que tenha medo. Ele é de uma lucidez espantosa, e muito inteligente.

CRISTALINO






Ontem, dia 06 de dez. tive um dia péssimo.
Começa com chuva, trânsito ruim; levei a Pitchula no Hovet-USP, nossa ida semanal.
E, ao longo do dia só foi piorando as coisas, passamos pelo oftalmologista, quer dizer: ela passou.
Bem, como se não bastasse todos os problemas que ela enfrenta, os olhos dela começaram a apresentar problemas. Notei que um estava mais saltado que o outro, e o direito inflamando, a médica que eu falei a semana passada achou que era um pouco de exagero, mas ontem comprovou que não. Ela está com uma "luxação" do cristalino, (acho que é assim que se escreve) o cristalino está solto, ele pode "cair", se soltando de todo, ele pode ir para trás, caindo dentro do globo ocular, ou pior, para fora. Eu perguntei para a médica como iria saber, ela disse que com certeza eu saberia, por que teria que ir as pressas procurar ajuda: dói! Então deverá haver uma intervenção cirúrgica, se as condições clínicas permitirem. Sem falar na catarata que está evoluindo muito rápido para meu gosto...
Mais um baque. Mais uma novidade que até ser digerida me consome, daqui a pouco me acostumo com mais essa.
Por outro lado os exames dela estão estáveis, o hematócrito subiu para 42%, isto é excelente, afastada a anemia, pelo menos por enquanto.
E mesmo assim, com mais novidades, ela está ótima. Com bom apetite e uma boa "mordedura",
eu estava brincando com ela na terça feira e ela me mordeu no lábio. Tive uma noite de "cadela"
inflamou e doeu demais a noite, a boca seca, o lábio gruda um no outro e para desgrudar dói, e doendo acordo, e assim foi a noite toda. Hoje passei no médico e ele receitou antibiótico. E ainda tive que ouvir brincadeiras sobre beijos e beijos...

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

SEXO E CHOCOLATE


Sexo e chocolate fazem bem ao cérebro, aumentam a capacidade cerebral!
Enfim uma notícia "gostosa". Me deu até água na boca! O estudo será publicado no ano que vem na Grã-Bretanha. Os autores: Terry Horne e Simon Wootin analisam vários fatores e concluem que chocolate amargo, sexo e um bom café da manhã ajudam e muito a nossa capacidade cerebral.
E tem mais ainda: evitar pessoas que só reclamam da vida e novelas ( eles são uns sábios...).
"Misture-se com pessoas que te façam rir" aconselham.

CASA ARRUMADA

Arrumei um pouco minha "casa virtual".
Nunca está completamente acabada, falta uma coisa, falta outra. Assim é minha casa, minha vida.
Falta tanta coisa para arrumar, tanta coisa a modificar. Preciso fazer isso, fazer aquilo e nunca acaba.
É uma obra inacabada como aquelas igrejas que vão passando ao longo dos anos de obras em obras, de quermeses em quermeses (ainda existem quermeses?) arrecadando fundos para concluir a obra.
Assim vou eu, ao longo dos dias, meses, anos procurando subsídios para concluir minha obra.
Ahhhh inacabada...

domingo, 2 de dezembro de 2007

DRAMAS DE CONSCIÊNCIA



Ando com grande dilemas.
Sempre achei que minha evolução nesse mundo passa pela abstenção da carne.
Não tem cabimento eu gostar tanto de um animal, Pitchula, e ao mesmo tempo comer a carne de outros. Me sinto mal. Tenho alguns amigos que são vegetarianos, são enfáticos em dizer que a vida deles se tornou bem melhor após deixarem de ingerir carne. Uma já não come a 12 anos e os exames dela são excelentes, quer dizer, aquela história de que precisamos de proteina animal não cola com ela, super saudável. O problema é que uma picanha ainda me apetece e muito...
Imagina o drama em que me debato? Essa amiga me recomendou a leitura de um livro: O Lado Oculto das Coisas-- e eu não o encontro. Ela disse que esse livro é que fez ela deixar de comer carne.
Mas ultimamente esse e outros dilemas têm me afetado mais. Tenho reavaliado muitas atitudes minhas e repensado príncipios, valores, acho que é a idade...Porém o nível de exigência comigo e com as outras pessoas continua alto!

DOMINGO MOVIMENTADO

Hoje é um domingo de muitos acontecimentos:
--Televisão digital; lançamento será as 20:30hs, colocaram uma pequena propaganda explicando que tem que ter um conversor, ainda bem.
--O Plebiscito de Hugo Chavez.
--E o jogo do Corinthians. Será que cai?